08:12 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Cerca de 1 milhão de pessoas saem às ruas de Santiago, no Chile.

    Presidente do Chile diz que 'escutou mensagem' após protesto com 1 milhão de pessoas

    © REUTERS / Juan Gonzalez
    Américas
    URL curta
    6171
    Nos siga no

    O presidente do Chile, Sebastían Piñera, disse que "escutou a mensagem" após cerca de um milhão de chilenos terem ido às ruas nesta sexta-feira (25).

    "A marcha multitudinária, alegre e pacífica de hoje, nas quais os chilenos pedem um chile mais justo e solidário, abre grandes caminhos de futuro e esperança. Todos nós escutamos a mensagem. Todos temos mudado. Com undidade e ajuda de deus, recorremos ao caminho a esse Chile melhor para todos", escreveu Piñera em sua conta do Twitter.

    Cerca de um milhão de pessoas protestaram nas pelas ruas de Santiago, capital do país, na maior manifestação desde o ínicio das manifestações no país.

    Os manifestantes empunharam bandeiras do país e caminharam de maneira pacífica na maior parte do tempo.

    Em alguns pontos, no entanto, houve confronto entre alguns grupos e a polícia. Os manifestantes fizeram barricadas e atearam fogo em um dos acessos do metrô. Forças de segurança usaram bombas de gás e jatos d'água.

    Há cerca de uma semana que o Chile vive uma onda de protestos que começaram por conta do aumento da passagem do metrô, mas que depois passaram a ter como alvo as medidas econômicas do governo de Piñera.

    O presidente decretou estado de emergência, colocou militares para fazer patrulhamento das ruas e as principais cidades chilenas passaram a ter toque de recolher.

    Desde o início das manifestações 19 pessoas foram mortas.

    Mais:

    Governo do Chile anuncia congelamento do aumento de energia para conter protestos
    Número de mortos durante protestos no Chile sobe para 19
    Congresso do Chile é evacuado após tentativa de invasão (FOTOS, VÍDEOS)
    Tags:
    manifestação, Sebastián Piñera, protesto, Chile
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar