17:43 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestante com máscara durante protesto em Santiago, no Chile. Foto de outubro de 2019.

    Número de mortos durante protestos no Chile sobe para 19

    © AP Photo / Esteban Felix
    Américas
    URL curta
    210
    Nos siga no

    O governo do Chile confirmou a morte de mais uma pessoa durante as manifestações que tomam conta do país, elevando o número oficial de mortos para 19.

    A vítima, identificada como Agustín Coro, teria levado um tiro na cabeça durante um saque em um estabelecimento comercial, explicou a autoridade.

    "De acordo com informações antecipadas pelo promotor, a vítima foi ferida em legítima defesa pelo proprietário do local, que tem sua arma registrada", disse Rodrigo Ubilla, subsecretário do Interior, em uma coletiva de imprensa e citado pela Sputnik Mundo.

    Além disso, o representante do governo informou que, na noite de 24 de outubro e na madrugada de 25 de outubro, 542 pessoas foram presas e 33 civis ficaram feridos em diferentes ocasiões.

    O Ministério das Relações Exteriores do Peru divulgou um comunicado à imprensa informando a morte de Coro e outras duas mortes no Chile.

    No entanto, o governo do presidente Sebastián Piñera reconheceu apenas duas mortes de peruanos.

    A mesma situação ocorreu com o Ministério das Relações Exteriores da Colômbia, que comunicou a morte de dois de seus cidadãos no Chile, mas suas mortes não foram adicionadas à lista.

    As mobilizações tiveram início em 14 de outubro, em função do aumento da tarifa do metrô de Santiago. Apesar de Piñera ter recuado no aumento dos preços e ter proposto medidas sociais, os protestos continuam, apesar da fortíssima repressão policial e do exército.

    Mais:

    Chile terá novo toque de recolher em mais um dia de protestos
    Criança de 4 anos morre e número de mortos em protestos no Chile aumenta para 18
    Presidente do Chile apresenta agenda social para encerrar protestos
    Tags:
    mortes, manifestações, Sebastián Piñera, Chile, protestos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar