09:22 09 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    7181
    Nos siga no

    O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou nesta quarta-feira (23) que vai remover as sanções contra Turquia após o anúncio do cessar-fogo permanente no norte da Síria.

    As restrições foram impostas por Washington na semana passada, depois que Ancara lançou a operação Fonte de Paz na Síria, que pretendia afastar os militantes curdos apoiados pelos EUA perto de suas fronteiras.

    O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou nesta quarta-feira que removerá as sanções contra a Turquia depois que Ancara anunciou que o cessar-fogo no norte da Síria seria permanente.

    "Durante cinco dias, vocês viram que o cessar-fogo no norte da Síria, sobre o qual falamos, está sendo observado, e está sendo observado muito bem, acima de todas as expectativas. Hoje de manhã o governo da Turquia informou à nossa administração que eles interromperão as ações militares na Síria e que o cessa-fogo será permanente. Eu acredito que será permanente", disse Trump em pronunciamento na Casa Branca.

    Trump observou, no entanto, que a Casa Branca restabelecerá as sanções se as forças turcas não cumprirem com suas obrigações.

    O presidente dos EUA enfatizou que tanto a Turquia quanto a Síria devem garantir que o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em uma série de países) não recupere nenhum território.

    No dia 9 de outubro, o nordeste sírio foi invadido pelas Forças Armadas da Turquia. A operação teve como alvo as milícias curdas que atuam em território sírio, que Ancara classifica como "terroristas". A ofensiva foi iniciada dois dias após Donald Trump ter anunciado a retirada das tropas norte-americanas do nordeste da Síria.

    Na semana passada, os EUA e a Turquia acordaram um cessar-fogo de cinco dias, que expirou às 22h00 do horário local (16h00 do horário de Brasília) da terça-feira (22).

    Tags:
    sanção, cessar-fogo, EUA, Donald Trump, Turquia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar