06:57 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Protestos no Chile

    Presidente do Chile suspende aumento das passagens do metrô após pressão popular

    © REUTERS / Edgard Garrido
    Américas
    URL curta
    551
    Nos siga no

    O presidente do Chile, Sebastián Piñera, informou que seu governo decidiu suspender o aumento das passagens de metrô de Santiago, após onda de protestos na capital do país.

    Após seis dias de manifestações em Santiago, o governo finalmente decidiu voltar atrás e não aumentar o preço das passagens de metrô.

    "Ouvi com humildade a voz dos meus compatriotas e não terei medo de continuar ouvindo [...] vamos suspender o aumento das passagens do metrô, o que exigirá a aprovação de uma lei que deve ser muito urgente", disse o presidente durante uma coletiva de imprensa.

    Piñera disse que convida nestes domingo "outros poderes do Estado a conhecer suas opiniões e propostas para enfrentar esta difícil situação".

    Por outro lado, o presidente condenou os "atos de vandalismo que observamos nos últimos dias".

    Na semana passada, um novo aumento nas passagens dos principais meios de transporte público de Santiago foi anunciado no Chile e a medida foi rejeitada pela opinião pública.

    Trabalhadores, transeuntes e, principalmente, estudantes, organizaram-se se reuniram em diferentes estações de metrô para correr e pular as catracas, evitando pagamento.

    As constantes aglomerações e excessos obrigaram a empresa a tomar uma medida sem precedentes e, na sexta-feira, foi decidido fechar todas as estações de metrô, interrompendo completamente o serviço até a próxima segunda-feira.

    Por sua vez, o governo do presidente Sebastián Piñera decidiu aplicar a Lei de Segurança do Estado contra manifestantes, que permite acelerar os processos judiciais para emitir sentenças com mais velocidade.

    O metrô de Santiago é um dos principais meios de transporte da capital chilena, transportando cerca de 2,8 milhões de pessoas diariamente.

    Tags:
    protestos, Sebastián Piñera, Santiago, Chile
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar