06:06 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Pessoas no Equador bloqueando estrada durante protestos contra alta de combustíveis

    Liderança indígena diz que protestos continuarão no Equador mesmo com toque de recolher

    © REUTERS / Ivan Alvarado
    Américas
    URL curta
    520
    Nos siga no

    Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (CONAIE) disse neste sábado (12) que continuará os protestos anti-austeridade no país mesmo como a imposição do toque de recolher.

    Além do toque de recolher imposto pelo presidente Lenín Moreno na capital Quito, as forças armadas do Equador disseram que restringiriam a movimentação de pessoas em todo o país.

    O grupo sugeriu que sua decisão no início do dia de manter conversas diretas com Moreno sobre um decreto que reduzisse os subsídios aos combustíveis poderia estar em risco pela repressão militar.

    A CONAIE lidera os protestos contra exigências do Fundo Monetário Internacional (FMI) no Equador, mas rejeitou o vandalismo que varreu Quito neste sábado (12).

    A CONAIE publicou um comunicado no Twitter em que afirma que "Não há diálogo real sem garantias para a segurança dos líderes indígenas".

    ​"Vamos adotar abordagens para tentar revogar o decreto", acrescentou, "mas realizaremos ações de protesto nacionalmente [...] exortando o governo a fornecer as garantias necessárias".

    A organização não especificou quando realizaria protestos ou se o faria em desafio ao toque de recolher. Já Moreno não disse quando terminaria o toque de recolher em Quito.

    Mais:

    Manifestantes invadem prédio do Parlamento do Equador e são retirados pela polícia
    Poderiam Maduro e Correa ser responsáveis pelos protestos no Equador? Especialista esclarece
    Crise no Equador: Lenín Moreno recua e reconsiderará decreto que cancela subsídios
    Manifestantes atacam jornal e sede de emissora de TV no Equador
    Tags:
    Quito, Equador
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar