05:52 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Sede do Departamento de Justiça dos EUA, em Washington

    Funcionário de inteligência militar dos EUA é acusado de vazar informações ultrassecretas

    © AP Photo / J. David Ake
    Américas
    URL curta
    0 42
    Nos siga no

    Os materiais ultrassecretos vazados estavam relacionados com os sistemas de armas de um país estrangeiro e incluíam uma série de relatórios de inteligência, diz Departamento de Justiça dos EUA.

    O ex-analista antiterrorismo da Agência de Inteligência da Defesa dos EUA (DIA), Henry Kyle Frese, foi detido pela Procuradoria-Geral do estado americano da Virgínia sob a acusação de transmitir informações confidenciais a repórteres.

    A acusação acaba de ser tornada pública pelo Departamento de Justiça dos EUA, escreve o canal CNBC.

    Os materiais vazados incluíam cinco relatórios de inteligência e estavam relacionados com os sistemas de armas de um país estrangeiro.

    Informações de segurança dos EUA

    Note-se que as informações fornecidas foram utilizadas em pelo menos oito artigos noticiosos. São mencionados dois casos de entrega de dados - em 2018 e 2019.

    Frese, de 30 anos, alegadamente teria tido uma "relação romântica" com uma jornalista, a quem teria fornecido informação secreta, bem como a um colega dela.

    O ex-funcionário "foi pego em flagrante, revelando informações sensíveis de segurança nacional para ganho pessoal", disse o Departamento de Justiça em um comunicado.

    "A divulgação não autorizada de informações ultrassecretas pode causar danos extremamente graves à segurança nacional dos Estados Unidos", comunica o departamento.

    O gabinete do procurador acredita que a jornalista, com quem Frese vivia, lhe pediu que ajudasse um seu colega, que precisava de informações sobre sistemas de armas para seu artigo. Ele supostamente concordou, mas exigiu que, em troca, sua namorada fosse promovida no trabalho.

    Agência de Inteligência da Defesa dos EUA (DIA)
    Agência de Inteligência da Defesa dos EUA (DIA)

    Os repórteres não são nomeados na acusação, mas o The Wall Street Journal os identificou como a jornalista Amanda Macias da CNBC e Courtney Kube da NBC. Frieze foi preso no dia 9 de outubro, quando chegava ao trabalho.

    Mais:

    'Espiões da CIA' são identificados e condenados à morte no Irã, reporta mídia
    Denunciante de Trump era agente da CIA que trabalhava na Casa Branca, diz jornal
    Trump: informação sobre rede de espionagem da CIA no Irã é 'totalmente falsa'
    Tags:
    Procuradoria-Geral dos Estados Unidos, Departamento de Justiça dos EUA, Agência de Inteligência de Defesa dos EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar