14:23 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente do Equador, Rafael Correa

    Roubaram democracia do Brasil com prisão de Lula, afirma Correa

    © REUTERS / Mariana Bazo
    Américas
    URL curta
    973
    Nos siga no

    O ex-presidente do Equador Rafael Correa disse em entrevista para a Sputnik Mundo que o pacote econômico de seu sucessor, Lenín Moreno, faz parte de plano neoliberal para a América Latina. 

    As medidas de ajuste do atual mandatário, que integram um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), provocaram uma onda de protestos no Equador. A principal crítica é contra o aumento dos combustíveis. 

    "Com certeza é parte de uma estratégia para que o neoliberalismo volte. Na década de 90, as pessoas não entendiam bem do que se tratava e não houve tanta resistência. Agora estamos vindo de governos progressistas com sucesso no período entre 2002 e 2014, que foi a época de ouro da América Latina", disse Correa. 

    Em julho do ano passado, a justiça equatoriana emitiu um mandato de prisão contra Correa por um suposto envolvimento num sequestro. O economista vive na Bélgica, onde pediu asilo político. 

    'Prisão de Lula roubou democracia no Brasil'

    Correa comparou sua situação as dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Cristina Fernández de Kirchner. Sobre o brasileiro, disse que "se não estivesse preso, seria ele o presidente, e não esse fascista elementar de Bolsonaro". Para o equatoriano, "com a prisão de Lula não apenas roubaram sua liberdade, mas a democracia no Brasil". 

    Sobre a Argentina, afirmou que a vitória da chapa presidencial que tem Cristina como vice nas primárias foi "contundentes". Ele fez uma comparação entre o presidente argentino, Mauricio Macri, e Moreno. "O presidente Macri é um tipo de direita, as pessoas sabiam em que estavam votando. Moreno, ao contrário, se apresentou como esquerda, como a continuação da Revolução Cidadã, ganhamos e depois fez tudo ao contrário, jogou no lixo o programa de governo e adotou o plano do candidato perdedor", disse. 

    Lenín Moreno foi vice-presidente de Correa e era seu aliado. Após ser eleito, no entanto, afasto-se do antigo correligionário, de quem se tornou rival. 

    Protestos continuam e detidos sobrem para 700

    O número de pessoas detidas nos protestos no Equador subiu para 700 pessoas. Milhares de pessoas saíram às ruas do país nesta quarta-feira para se manifestar contra o pacote econômico. Houve confronto em algumas localidades. A sede do governo foi transferida temporariamente para Guayaquil. 

    Moreno diz que está negociando com os grupos insatisfeitos, e acusa Correa de apoiar os protestos violentos para desestabilizar o pais.

    Mais:

    Movimentos indígenas bloqueiam estradas no Equador contra pacote do governo
    Presidente do Equador declara estado de emergência após fortes protestos
    Países latino-americanos acusam Maduro de estar por trás de manifestações no Equador
    Poderiam Maduro e Correa ser responsáveis pelos protestos no Equador? Especialista esclarece
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar