21:41 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Andrés Manuel López Obrador, presidente de México

    Governo mexicano pretende reconstruir 170 mil escolas primárias

    © AP Photo / Marco Ugarte
    Américas
    URL curta
    260
    Nos siga no

    O governo do México iniciou o programa "A escola é nossa" para reconstruir 170 mil escolas primárias, com um investimento inicial de US$ 1 bilhão.

    O programa deve começar a ser executado em cerca de 103 mil locais nas comunidades indígenas, informou o presidente Andrés Manuel López Obrador (AMLO).

    "O início do programa 'A escola é nossa', visa alocar fundos para manter e reabilitar 170 mil escolas primárias em todo o país", disse o presidente em seu briefing diário.

    A implementação da primeira etapa inclui 103.268 escolas localizadas em comunidades indígenas e áreas marginalizadas, que terão um investimento de mais de 20 bilhões de pesos (mais de 1 bilhão de dólares).

    Os fundos serão administrados pelos pais "para fazer mais com menos, para obter mais recursos", disse o chefe do executivo.

    "Este é um dos melhores programas do governo, o mais importante é que seja entregue diretamente às associações dos pais, para que eles decidam como serão usados ​​esses fundos", explicou López Obrador.

    Os Comitês Escolares de Administração Participativa, que administrarão os recursos que receberão do Tesouro Federal, são constituídos por mães e pais, professores e alunos a partir da quarta série.

    O investimento dependerá do governo federal e das 32 entidades federativas, que colaborarão em um esquema de contribuição de 50% cada.

    Em sua aparição diária diante da imprensa, AMLO firmou que "o dinheiro para construção e manutenção das escolas não passará por todas as instâncias do governo federal, estadual e municipal, mas chegará diretamente às ​​escolas".

    As assembleias de pais "decidirão como aplicar esses fundos", reiterou o chefe de Estado.

    Tags:
    escolas, Andrés Manuel López Obrador, educação, México
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar