21:17 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira do México.

    Ministro do Supremo do México renuncia ao cargo

    © REUTERS / Jose Luis Gonzalez
    Américas
    URL curta
    131
    Nos siga no

    Um dos onze ministros do Supremo Tribunal de Justiça do México renunciou de maneira inesperada nesta quinta-feira (3). Ele ainda poderia passar mais de uma década no cargo.

    A renúncia de Eduardo Medina Mora, embaixador do México nos Estados Unidos durante parte da administração do ex-presidente Enrique Peña Nieto (2012-2018), foi aceita pelo presidente Andrés Manuel López Obrador, informou a Presidência, e agora deve receber o endosso do Senado antes de ser efetivada

    Medina Mora, 62 anos, também foi procuradora-geral na presidência do direitista Felipe Calderón, cujo triunfo nas eleições de 2006 foi severamente questionado por López Obrador, que acusou o pleito de ter sido fraudado. 

    As notícias inesperadas suscitaram reações de outros poderes públicos.

    "É um fato incomum, é incomum, [...] extraordinário, mas não há crise, ele não coloca em crise o judiciário federal", disse o senador Ricardo Monreal, do Morena, mesmo partido de López Obrador.

    Enquanto isso, a agência de notícias estatal Notimex informou que Medina Mora está sendo investigada pela Unidade de Inteligência Financeira do Ministério das Finanças "por receber transferências que não correspondem a sua declaração patrimonial". 

    Medina Mora assumiu o cargo de Ministro da Suprema Corte em 2015 e seu mandato terminaria em 2030.

    Mais:

    México: cartéis proíbem postos de gasolina de abastecer veículos do Exército
    Submarino americano da 1ª Guerra Mundial é descoberto no litoral do México (FOTOS)
    Acordo de livre comércio com México pode violar regras do Mercosul?
    Analista: mercados de Brasil e México têm boa possibilidade de complementariedade 
    Montanha-russa descarrilha deixando 2 mortos em parque de diversão no México (VÍDEO)
    Tags:
    América Latina, México
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar