07:54 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Rodolfo Nin Novoa, chanceler do Uruguai (foto de arquivo)

    Só os EUA podem intervir militarmente na Venezuela, diz chanceler uruguaio

    © AP Photo / Roman Pilipey
    Américas
    URL curta
    8206
    Nos siga no

    O único que pode intervir militarmente na Venezuela são os EUA, porque não há Forças Armadas nos países latino-americanos com capacidade para fazê-lo, disse o ministro de Relações Exteriores do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa, à Sputnik nesta terça-feira.

    "O povo venezuelano está armado e não me parece que eles aceitem humildemente uma intervenção militar de um país estrangeiro. Por outro lado, o único que pode intervir são os EUA, porque não acho que haja Forças Armadas de países vizinhos capazes de fazê-lo", declarou Nin Novoa.

    Na segunda-feira, os países membros do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) decidiram em Nova York iniciar uma operação regional conjunta e coordenada para identificar e processar oficiais de alto escalão do governo da Venezuela e grupos aliados irregulares de Caracas supostamente envolvidos em corrupção, tráfico de drogas e violações de direitos humanos.

    O TIAR contempla uma série de opções em casos como o do país caribenho, que incluem negociações até rupturas de reações diplomáticas, suspensão de acordos econômicos, suspensão de todos os tipos de transporte, cancelamento de comunicações de rádio e, finalmente, ações coercitivas como intervenção militar no país.

    A resolução não foi apoiada pelo Uruguai, que havia esclarecido anteriormente que o TIAR não pode ser aplicado contra a Venezuela, porque este país se retirou do pacto em 2013. Caracas retirou-se do TIAR em 2013, sob o governo de Hugo Chávez (1999-2013), que alertou que isso poderia ser usado para uma ação contra seu país.

    Soldados do Exército dos EUA (arquivo)
    Soldados do Exército dos EUA (arquivo)

    Por seu lado, o ministro de Relações Exteriores do Uruguai destacou que por trás de seu desejo de intervir militarmente na Venezuela esconde sua intenção de obter petróleo do país.

    "O TIAR é uma medida promovida pelos EUA, à qual outros países são adicionados. Prefiro não julgar intenções. Mas parece bastante evidente, porque é isso que alguns dos principais membros do governo dos EUA declararam que, por trás da intervenção militar, está o uso do petróleo venezuelano, que possui as maiores reservas mundiais desse combustível", acrescentou.

    A reunião dos países do TIAR foi realizada depois que Caracas suspendeu as negociações com o líder da oposição apoiado pelos EUA, Juan Guaidó, após uma nova rodada de sanções de Washington.

    A Venezuela sofre uma crise política e econômica que se intensificou em janeiro passado, quando Guaidó se declarou "presidente encarregado" do país.

    Os EUA e 54 outros países apoiaram Guaidó, mas Rússia, China, Cuba, Bolívia e Turquia disseram reconhecer o presidente Nicolás Maduro como o único presidente legítimo da Venezuela. Já o México e o Uruguai já se declararam neutros e propuseram um diálogo entre as partes para superar a crise.

    Mais:

    Ministério do Petróleo da Venezuela acusa oposição de destruir subsidiária da PDVSA
    EUA tentam sabotar as eleições parlamentares da Venezuela de 2020, diz Maduro
    União Europeia prepara novas sanções contra Venezuela
    Tags:
    intervenção militar, interferência estrangeira, crise na venezuela, guerra, diplomacia, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Rodolfo Nin Novoa, Uruguai, Estados Unidos, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar