14:29 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA, Donald Trump discursa na Assembleia Geral da ONU em Nova York

    Mais nacionalismo, menos globalismo: Trump fala em patriotismo e ataca rivais na ONU

    © REUTERS / LUCAS JACKSON
    Américas
    URL curta
    111614
    Nos siga no

    O presidente dos EUA, Donald Trump, pediu nesta terça-feira a nações do mundo todo que adotem o nacionalismo e rejeitem o que chamou de globalismo, dizendo que líderes sábios colocam seu próprio povo e países em primeiro lugar.

    "O mundo livre deve abraçar suas fundações nacionais. Não deve tentar apagá-las ou substituí-las", declarou ele à Assembleia Geral das Nações Unidas. "O futuro não pertence aos globalistas, o futuro pertence aos patriotas", acrescentou.

    "O futuro pertence a nações soberanas e independentes que protegem seus cidadãos, respeitam seus vizinhos e honram as diferenças que tornam cada país especial e único", prosseguiu Trump, que atacou as políticas adotadas pelo que ele chamou de "ativistas de fronteira aberta".

    Segundo o presidente dos EUA, tais políticas estavam prejudicando as mesmas pessoas que supostamente pretendem ajudar, como ele chamou de imigração ilegal como um dos desafios cruciais do mundo.

    "Hoje tenho uma mensagem para os ativistas de fronteira aberta que se escondem na retórica da justiça social: suas políticas não são justas. Suas políticas são cruéis e más", comentou Trump.

    "Você está capacitando organizações criminosas que atacam homens, mulheres e crianças inocentes. Você coloca seu próprio falso senso de virtude diante das vidas, bem-estar e inúmeras pessoas inocentes. Quando você prejudica a segurança nas fronteiras, está comprometendo os direitos humanos e a dignidade humana", complementou.

    Um outro exemplo globalista, na visão de Trump, diz respeito à ratificação do Tratado de Comércio de Armas das Nações Unidas, o qual os EUA não ratificarão, ele assegurou.

    "Não há nenhuma circunstância sob a qual os Estados Unidos permitirão que entidades internacionais atropelem os direitos de nossos cidadãos, incluindo o direito de legítima defesa. É por isso que este ano anunciei que nunca ratificaremos o Tratado de Comércio de Armas da ONU", declarou.

    Presidente dos EUA, Donald Trump, acena ao lado do presidente chinês, Xi Jinping, após coletiva de imprensa em Pequim, 9 de novembro de 2017
    © AP Photo / Andy Wong
    Presidente dos EUA, Donald Trump, acena ao lado do presidente chinês, Xi Jinping, após coletiva de imprensa em Pequim, 9 de novembro de 2017

    Ataques contra adversários

    Durante o seu discurso, o presidente dos EUA aproveitou para tecer comentários contra países que considera adversários, a começar pela China. Trump disse esperar por um acordo comercial com os chineses e pediu que Pequim resolva a situação em Hong Kong, honrando seu compromisso de proteger a liberdade do território.

    "Também estamos monitorando cuidadosamente a situação em Hong Kong. O mundo espera plenamente que o governo chinês honre seu tratado vinculativo feito com os britânicos e registrado nas Nações Unidas em que a China se compromete a proteger a liberdade de Hong Kong, o sistema jurídico e os modos democráticos da vida", pontuou.

    "Como a China escolhe lidar com a situação vai dizer muito sobre o seu papel no mundo no futuro. Todos estamos contando com o presidente Xi [Jinping] como um grande líder", afirmou.

    Trump também afirmou que, se não mudar o seu comportamento, o Irã pode ser alvo de novas sanções, e garantiu que acompanha de perto a situação na Venezuela. De acordo com ele, há uma grande quantidade de ajuda humanitária esperando para ser entregue ao país caribenho.

    "Os Estados Unidos têm vastas quantidades de ajuda humanitária prontas e esperando para serem entregues. Estamos acompanhando a situação venezuelana de muito perto", sentenciou.

    O líder estadunidense ainda lamentou a situação da Síria e do Afeganistão, explicando que Washington tem como objetivo não se envolver em "guerras sem fim" em todo o mundo.

    "Em todo o mundo, nossa mensagem é clara: o objetivo da América é duradouro, o objetivo da América é a harmonia e o objetivo da América não é acompanhar essas guerras sem fim; guerras que nunca terminam", opinou.

    Sobrou tempo ainda para pedir ao líder norte-coreano Kim Jong-un que adote a posição de uma completa desnuclearização da península coreana, o que permitiria que a Coreia do Norte alcançasse todo o seu potencial.

    "Eu disse a Kim Jong-un, no que realmente acredito, que seu país está cheio de um tremendo potencial, mas que para cumprir essa promessa, a Coreia do Norte deve desnuclearizar", completou.

    Mais:

    'Vamos a Marte': Trump anuncia próxima meta da NASA e diz que Lua 'não é tão emocionante'
    Cientista político pondera possibilidade de impeachment de Trump
    Trump teria ordenado bloquear assistência militar à Ucrânia por 'alto nível de corrupção'
    Tags:
    Donald Trump, Assembleia Geral da ONU, diplomacia, globalização, globalismo, nacionalismo, Coreia do Norte, Venezuela, Irã, Nova York, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar