08:27 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Elías Antonio Saca González, então presidente de El Salvador, com sua esposa, Ana Ligia de Saca, em seu último dia de governo, 1 de junho de 2009

    Ex-presidente de El Salvador é condenado a mais 2 anos de prisão

    © AP Photo/ Dario Lopez-Mills
    Américas
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    Um tribunal salvadorenho decretou uma sentença de dois anos de prisão por suborno para o ex-presidente do país Elías Antonio Saca González, conforme informou o gabinete do procurador-geral nesta quinta-feira (19).

    Tony Saca, político conservador que governou seu país entre 2004 e 2009, já se encontra cumprindo pena de dez anos de prisão por lavagem de dinheiro e uso indevido de dinheiro público. Segundo a Procuradoria-Geral, citada pela Reuters, a nova condenação teria sido motivada por uma tentativa de subornar um funcionário do judiciário em troca de informações privilegiadas sobre um caso contra ele. 

    ​Ex-presidente Elías Antonio Saca se retira do tribunal onde foi condenado em um dos processos abertos contra ele.

    Com essa nova sentença, um juiz terá de decidir agora se esses dois anos de pena extra serão acrescidos aos dez anos que ele já cumpre ou não. 

    Detido no final de outubro de 2016, Saca se tornou, em janeiro de 2017, o primeiro ex-presidente de El Salvador a ser mandado para um centro penal, por desviar mais de US$ 300 milhões em fundos da presidência para contas pessoais durante o período em que esteve à frente do governo.

    Mais:

    Alejandro Toledo, ex-presidente peruano, é preso nos EUA e será extraditado
    Argentina confirma condenação de ex-vice-presidente
    Defesa de Lula vai ao STF contra decisão de transferir o ex-presidente para São Paulo
    Maduro acusa ex-presidente colombiano de querer assassiná-lo
    #BolsonaroMiserable: brasileiros se unem para pedir desculpas à ex-presidente do Chile
    Tags:
    lavagem de dinheiro, Reuters, desvio, suborno, prisão, presidente, El Salvador, Tony
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar