10:08 10 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Chanceler venezuelano Jorge Arreaza

    Venezuela reage após EUA invocar TIAR: 'Para Trump, a paz e o entendimento são más notícias'

    © Sputnik / Yevgeny Odinokov
    Américas
    URL curta
    1291
    Nos siga no

    Para o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, os EUA se assumiram “como o principal autor da ameaça de uso da força” contra o país sul-americano, violando “abertamente a carta da ONU”.

    Arreaza rebateu o comunicado emitido nesta terça-feira pelo Departamento de Estado norte-americano, no qual Washington anuncia a invocação do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) contra Caracas.

    ​Com esse comunicado, Washington não só atenta contra a Mesa Nacional de Diálogo, mas também se assume como o principal autor da ameaça de uso da força contra a Venezuela, violando abertamente a Carta da ONU ao invocar o TIAR. 

    Para o chanceler venezuelano, a decisão de Washington demonstra "seu caráter belicista ao subestimar os processos de diálogo político que se desenvolvem de maneira soberana na Venezuela".

    "Para a administração Trump, a paz e o entendimento são más notícias", acrescentou o chanceler em outro tweet.

    EUA invocam o Tratado do Rio 

    Nesta terça-feira, o governo norte-americano informou que, junto com seus aliados da Organização de Estados Americanos (OEA), acionou o TIAR, argumentando que o acordo atingido entre o governo de Maduro e uma parte da oposição moderada venezuelana representava uma sabotagem dos “esforços de boa fé para encontrar uma solução política pacífica” encabeçada pelo deputado Juan Guaidó. Washington reconhece Guaidó como “presidente interino” desde sua autoproclamação, em janeiro deste ano.

    "Aguardamos com expectativa a oportunidade de nos reunirmos com os parceiros regionais para debater as opções econômicas e políticas multilaterais que podemos utilizar para enfrentar a ameaça à segurança da região que Maduro representa”, informou o Departamento de Estado norte-americano em um comunicado, no qual explica que a medida em questão "facilitaria uma ação coletiva" contra a Venezuela.

    A Venezuela não reconhece a invocação de nenhuma disposição do TIAR, uma vez que denunciou esse tratado em 2013 e oficializou a sua saída da OEA em abril deste ano.

    Mais:

    EUA aplicam nova rodada de sanções contra pessoas e empresas ligadas à Venezuela
    Venezuela dará 500 mil armas às milícias nacionais durante exercícios
    Maduro garante que Venezuela tem 'equipamentos do mais alto nível' graças à Rússia
    Tags:
    Defesa, Organização dos Estados Americanos (OEA), EUA, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar