09:18 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Linha de montagem da GM.

    Sem acordo, trabalhadores da GM nos EUA poderão entrar em greve

    © AP Photo / Paul Sancya
    Américas
    URL curta
    3110
    Nos siga no

    Um representante de alto escalão do sindicato United Auto Workers afirmou que a entidade e a General Motors estão distantes em questões importantes, aumentando a probabilidade de uma greve no domingo (15).

    O sindicato, em cartas aos membros da montadora no sábado (14), disse que deixará seu contrato de quatro anos com a empresa expirar pouco antes da meia-noite. Mas os trabalhadores devem se reportar a seus empregos se estiverem programados para trabalhar no domingo.

    O que o sindicato fará depois disso será decidido em reuniões agendadas para domingo de manhã em Detroit.

    As cartas são projetadas para aumentar a pressão sobre os negociadores da GM à medida que o prazo de vencimento do contrato se aproxima.

    "Enquanto lutamos por melhores salários, assistência médica de qualidade a preços acessíveis e segurança no emprego, a GM se recusa a colocar os trabalhadores árduos à frente de seus lucros recordes", afirmou o vice-presidente do sindicato, Terry Dittes.

    Mas a GM, em comunicado, ainda disse ter esperança de um acordo, dizendo que continua trabalhando em soluções para desafios difíceis.

    Uma greve de 49.200 trabalhadores sindicais interromperia a produção da GM nos EUA e provavelmente impediria a empresa de fabricar veículos no Canadá e no México. Isso significaria menos veículos para os consumidores escolherem em lotes de revendedores e tornaria impossível a fabricação de carros e caminhões encomendados.

    Dittes, principal negociador do sindicato com a GM, escreveu na carta aos líderes sindicais locais que ambos os lados estão distantes em quase todas as questões econômicas importantes após meses de negociação.

    Líderes sindicais de todo o país estarão em Detroit no domingo para falar sobre os próximos passos e, depois disso, o sindicato provavelmente fará um anúncio.

    Se houver uma greve, seria a primeira desde que os trabalhadores da GM cruzaram os braços por dois dias em 2007.

    Mais:

    Produção de petróleo da Saudi Aramco cai para metade após ataque de drones
    Snowden quer obter asilo na França
    Trump liga para príncipe saudita após ataque de drone em refinarias
    EUA dizem estar 'prontos' para usar reservas de petróleo após ataque em refinarias sauditas
    Tags:
    Estados Unidos, General Motors
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar