23:34 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Bolsonaro e Trump na Casa Branca.

    Senadores dos EUA dizem que Bolsonaro não protege Amazônia e pedem veto às negociações com o Brasil

    © AP Photo / Evan Vucci
    Américas
    URL curta
    213213
    Nos siga no

    Os EUA devem suspender as negociações comerciais com o Brasil até que o presidente Jair Bolsonaro aplique leis para proteger a Floresta Amazônica, disseram quase uma dúzia de senadores democratas dos EUA em uma carta publicada na sexta-feira.

    "Na ausência de uma ação significativa do presidente Bolsonaro para proteger a Amazônia, os Estados Unidos devem deixar claro que não negociarão com o Brasil no comércio", afirmaram os legisladores em carta ao escritório do Representante de Comércio dos Estados Unidos.

    E eles apontaram que "os Estados Unidos não podem tratar isso como um negócio, como de costume".

    Os senadores também pediram ao representante comercial Robert Lighthizer para negociar o fim da guerra comercial EUA-China, que forçou Pequim a importar mais carne bovina e soja do Brasil, e levou os agricultores a desmatar mais a região amazônica para agricultura, de acordo com o comunicado.

    A carta foi assinada pelos senadores Chris Murphy, Brian Schatz, Richard Blumenthal, Sheldon Whitehouse, Tom Udall, Kirsten Gillibrand, Patrick Leahy, Cory Booker, Chris Van Hollen, Kamala Harris e Amy Klobuchar.

    A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo, ocupa parte do território do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Bolívia, Equador, Guiana Francesa, Guiana e Suriname.

    Ao longo de todo o ano de 2019 no Brasil, ocorreram 96.596 focos, dos quais 51,4% estão na Amazônia e 31,1% no cerrado.

    Mais:

    Amazônia: pesadelo geopolítico ou questão de soberania?
    Bolsonaro defende soberania e critica Macron em reunião com presidentes de países amazônicos
    Brasil destinará R$ 1 bilhão à Amazônia: é de dinheiro que a floresta precisa?
    Tags:
    democratas, preservação, desmatamento, meio ambiente, Amazônia, relações bilaterais, comércio, Robert Lighthizer, Jair Bolsonaro, China, Estados Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar