15:08 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Iván Márquez, ex-comandante das FARC, anuncia o retorno à luta armada.

    Ex-número 2 das FARC anuncia retorno à luta armada na Colômbia

    © REUTERS /
    Américas
    URL curta
    11216
    Nos siga no

    O ex-número dois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Iván Márquez, anunciou nesta quinta-feira (29) que irá abandonar o histórico acordo com o governo colombiano e irá retornar às armas.

    A decisão foi anunciada em vídeo em que Márquez é acompanhado de outros guerrilheiros.

    "Anunciamos ao mundo que a segunda Marquetalia começou", disse o líder das FARC vestido com uniforme verde militar em  vídeo postado no YouTube, referindo-se a um enclave rural considerado o berço do grupo na década de 1960.

    O presidente conservador da Colômbia, Iván Duque, respondeu dizendo que enviaria uma unidade especial do Exército para caçar Márquez e que o guerrilheiro tem o apoio do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. 

    A Jurisdição Especial para a Paz (JEP), um tribunal encarregado de julgar crimes cometidos durante o meio século de conflito armado na Colômbia, anunciou mais tarde que mandados de prisão contra Márquez e outros — que foram suspensos como parte do processo de paz — agora voltaram a valer.

    Márquez acusou o governo de trair o difícil acordo sob o qual a maioria dos 7 mil combatentes das FARC deixaram a luta armada para formar um partido político

    "É um anúncio muito preocupante", disse o comissário de paz do governo colombiano Miguel Ceballos.

    Mais:

    Poderá o Brasil seguir exemplo da Colômbia e evitar desmatamento florestal?
    Maduro dá lição a Duque: Libertador da Colômbia é Simón Bolívar, e não Capitão América
    Presidente da Colômbia oferece ajuda para combater incêndios na Amazônia
    Queda trágica de 2 militares de um helicóptero é captada na Colômbia (VÍDEO)
    Publicado VÍDEO da aterrissagem fracassada de avião na Colômbia
    Tags:
    Colômbia, FARC
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar