02:34 11 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldado americano junto à bandeira dos EUA (arquivo)

    Jornal chinês imagina um mundo sem Estados Unidos dando prós e contras

    © AP Photo / Hasan Jamali
    Américas
    URL curta
    19376
    Nos siga no

    Há quem acredite que o mundo possa se tornar inseguro e um caos sem os EUA, mas nem todos pensam assim, e uma parte acha que o país norte-americano seja a âncora do mundo.

    Seguindo esse pensamento, os EUA seriam a âncora do mundo por ser a principal fonte de distúrbios.

    Segundo Liu Zhiqin,  o autor do artigo citado no jornal chinês The Global Times, é preciso esclarecer que os EUA contribuíram para o mundo, já que o país é "uma grande nação que teve grandes contribuições na civilização", principalmente na vitória da Segunda Guerra Mundial.

    Entretanto, os norte-americanos chegaram a um ponto de inflexão e começaram a ir para o lado oposto, afirma Liu Zhiqin, citando um provérbio chinês que diz que coisas mudam de curso quando chegam a um extremo.

    "Parece que os EUA não entendem ou ignoram esta lógica", comentou o jornalista.

    Depois da Segunda Guerra Mundial, o mundo foi testemunha da contribuição benéfica do desenvolvimento tecnológico dos EUA à humanidade.

    Capacete e bandeira dos EUA
    © CC0 / Pixabay
    Capacete e bandeira dos EUA

    Contudo, os norte-americanos converteram suas tecnologias em instrumentos de dominação, ou seja, converteram suas tecnologias em armas.

    "[Os EUA] têm utilizado tecnologia avançada para nos espiar, para intervir nos assuntos internos de outros países e para castigar os países que não seguem suas ordens", observou Liu Zhiqin.

    Com isso, o jornalista acredita que os EUA estejam provocando danos nas mesmas proporções de suas contribuições.

    "Será um processo longo e doloroso para aqueles que uma vez admiraram cegamente os EUA para serem capazes de analisá-lo objetivamente", lamentou.

    Bandeira dos EUA junto a emblema nacional da China (foto de arquivo)
    © AP Photo / Andy Wong
    Bandeira dos EUA junto a emblema nacional da China (foto de arquivo)

    Embora os EUA continuem avançando tecnologicamente, suas conquistas serão apenas para seu próprio uso sem compartilhá-las com o mundo. Com isso, o país deixará de ser uma terra de inovação aberta, inclusiva e diversificada, segundo Liu Zhiqin.

    "Alguns estariam preocupados que o mundo se torne inseguro e mergulhe no caos sem os EUA. Outros acreditam que eles sejam a âncora do mundo [...]. Um mundo sem os EUA pode ser mais fácil de lidar, bem como harmonioso", escreve o jornalista.

    "Mesmo aliados tradicionais dos EUA, incluindo a Alemanha, a França e o Japão, estão se preparando para o esgotamento e a decadência dos EUA. O que virá a seguir é uma era onde os países cooperarão e colaborarão para superarem as dificuldades que possam surgir", prognostica.

    Para ser mais claro, o mundo precisa de uns novos EUA, um país sem preconceitos e crueldade, um país que atue de forma coerente com sua palavra e que respeite os demais.

    Presidente dos EUA, Donald Trump, lança campanha de reeleição 2020 em Orlando, Flórida, em 18 de junho de 2019
    © AP Photo / Evan Vucci
    Presidente dos EUA, Donald Trump, lança campanha de reeleição 2020 em Orlando, Flórida, em 18 de junho de 2019

    É difícil pressionar Washington para que mude seu papel no âmbito internacional. Para o jornalista, isso só seria possível através de um diálogo aberto.

    "Os EUA devem entender que estão enfrentando uma crise sem precedentes. Se não iniciar uma mudança imediatamente, o país ficará ultrapassado antes das novas tendências globais", assegurou.

    "Ao dividirem o mundo, os EUA serão incapazes de se sustentar", concluiu o jornalista, enfatizando que o mundo não pode seguir sem os EUA, mas que os norte-americanos precisam mudar como país.

    Mais:

    À beira do abismo: saída de empresas dos EUA do mercado chinês será suicídio, diz colunista
    Fim do tratado Novo START entre EUA e Rússia pode ter consequências fatais
    China nega pedido de navio de guerra dos EUA para atracar em um de seus portos
    Tags:
    comportamento, economia, política, mundo, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar