07:07 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
     Água

    Estariam militares dos EUA de olho no 2º maior aquífero da América do Sul?

    © flickr.com/ Javier Morales
    Américas
    URL curta
    203512
    Nos siga no

    Falta de água no mundo pode estar por trás da política americana na América Latina. Em entrevista à Sputnik Mundo, especialistas falam da possível relação entre militares dos EUA e o Aquífero Guarani.

    Os Estados Unidos possuem presença militar na América Latina por mais de um século. Desde intervenções na América Central até a construção de bases na América do Sul, a política de Washington para a região gera mais dúvidas do que certezas.

    No dia 31 de julho, o Brasil foi designado como aliado prioritário fora da OTAN pelo presidente norte-americano, Donald Trump. A medida dá ao Brasil facilidades na aquisição de equipamentos militares produzidos nos EUA e pode intensificar a cooperação militar entre o Brasil e os países membros da OTAN.

    Base militar

    Ao mesmo tempo, se tornou pública a construção de uma base militar americana na região da Tríplice Fronteira, onde territórios do Brasil, Argentina e Paraguai se encontram.

    "Os militares americanos já estão aqui. A construção da base está a todo vapor", disse em entrevista à Sputnik Mundo o político uruguaio Wilson Ferreira Aldunate.

    A princípio, a base ajudaria autoridades dos três países no combate ao narcotráfico, assim como intimidaria supostos terroristas presentes entre a grande comunidade árabe na região, segundo afirmou o diretor do Instituto de Problemas Nacionais da Universidade Nacional de Lanús, Ernesto López.

    No entanto, tal razão seria um simples pretexto. Em 2009 a Colômbia e os Estados Unidos celebraram um acordo militar que previa o emprego de tropas americanas no combate ao narcotráfico no país sul-americano. Desde então, a cooperação militar pouco influenciou o narcotráfico no país. Segundo Ernesto López, a Colômbia hoje produz 80% de toda cocaína introduzida nos EUA.

    Sendo assim, o aumento da presença militar dos EUA na América Latina se demonstrou ineficiente no combate ao narcotráfico, tornando a suposta construção de sua base no Cone Sul pouco fundamentada.

    O X da questão

    Para Ernesto López, os EUA teriam um interesse muito maior na região, o Aquífero Guarani.

    Estendendo-se por cerca de 1,2 milhão de km², a grande reserva de água potável está presente nos territórios do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, divulgou o instituto Águas Paraná. Cerca de 65% desta área está em território brasileiro. 

    Estima-se que o aquífero possui um volume de água de 45 mil km³. Além disso, em caso de falta de água potável no mundo, o reservatório poderia atender a população mundial durante 200 anos.

    Segundo dados de 2002 da Organização das Nações Unidas, em 2025 cerca de 3 bilhões de pessoas deverão sofrer falta de água própria para consumo, publicou a Agência Nacional de Águas. Tal situação demonstra a importância de aquíferos com água potável.

    A presença de militares dos EUA bem na região onde está situado o aquífero representaria um passo à frente de Washington na sua tentativa de obter controle do aquífero. A presença militar dos EUA na região poderia ser um sinal da corrida pela água no mundo. 

    Mais:

    Deputado sugere instalação de mísseis russos na Venezuela em resposta aos dos EUA no Pacífico
    Analista: visita de Pompeo mostra que EUA ainda encaram América Latina como seu 'quintal'
    Maduro avisa que Grupo de Lima quer dividir América Latina e a entregar aos EUA
    Tags:
    água, Brasil, EUA, aquífero, tríplice fronteira
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar