09:50 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Alberto Fernández, candidato à Presidência da Argentina

    Possível vitória de Fernández não afeta acordo Mercosul-UE, diz especialista

    © REUTERS / Agustin Marcarian
    Américas
    URL curta
    6132
    Nos siga no

    Após quatro anos no governo, Maurício Macri corre o risco de não ter sua continuidade garantida pelas urnas, isso porque neste domingo (11) a chapa composta por Alberto Fernández e Cristina Kirchner, sua vice, conseguiram a vitória nas primárias argentinas e chegam como favoritos para as eleições presidenciais que vão acontecer em outubro.

    Alberto Fernández recebeu 47% dos votos no pleito, contra 32% de Mauricio Macri. Diferença de quase 15 pontos percentuais.

    A possível vitória de Alberto Fernández gerou temores sobre o futuro do acordo de livre-comércio firmado em julho entre Mercosul e a União Europeia. Durante a campanha, Fernández afirmou que o tratado fechado com a União Europeia, que prevê o fim de tarifas de importação para boa parte dos produtos em até 15 anos, precisaria ser revisto. Segundo o candidato, o acordo condenará a Argentina à “desindustrialização” e só foi fechado porque Macri tinha motivações eleitorais.

    Porém, em entrevista à Sputnik Brasil, Welber Barral, secretário de Comércio Exterior nos governos Lula e Dilma Rousseff, disse que seja qual for a posição de Fernandez não afetará o andamento do acordo.

    "Esse acordo tem uma cláusula muito interessante, o acordo prevê que os países do Mercosul poderão ratificar individualmente a sua participação no acordo. Se por acaso a Argentina atrasar a retificação, o Brasil, Paraguai e Uruguai poderão acelerar independentemente do voto argentino, ou seja, o Brasil poderá ratificar o acordo com a União Europeia independentemente dos demais membros do Mercosul", explicou.

    Barral disse que esse tipo de cláusula não é comum no Mercosul.

    "Não é comum em acordos internacionais que o Mercosul assina e que protege a evolução do acordo independentemente da eleição na Argentina", comentou.

    Barral alertou, no entanto, que a maior barreira para o acordo Mercosul e União Europeia é a própria política de Jair Bolsonaro.

    "O que compromete mais a continuidade do acordo é mais a questão das posições que o Brasil tem adotado na área ambiental", afirmou.

    Welber Barral comentou que, apesar do acordo entre União Europeia e Mercosul conseguir ser tramitado, a relação comercial entre Brasil e Argentina pode ser abalada.

    "Embora não dependamos da posição argentina para ratificar este acordo, evidentemente um governo peronista tende a ser mais protecionista do que foi o governo Macri. Adotando medidas de barreiras não-tarifárias, licenças de importação, declarações juradas que atrapalharam muito o comércio-bilateral com o Brasil. Esse risco existe, especialmente sendo a Argentina um dos principais destinos de exportações brasileiras", complementou.

    Mais:

    Especialista: desmatamento na Amazônia pode prejudicar ratificação do acordo Mercosul-UE
    Primárias argentinas: vitória de Fernández e Kirchner já definiu as eleições?
    Como possível retorno de Kirchner na Argentina afetará relações com Brasil de Bolsonaro?
    Macri anuncia aumento de salário mínimo para tentar reverter derrota nas eleições
    'Bandidos de esquerda começam a voltar ao poder na Argentina', diz Bolsonaro
    Tags:
    Acordo de Livre Comércio entre União Europeia e Mercosul, Mercosul, Argentina, Alberto Fernández
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar