10:42 22 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Tribunal Supremo de Justicia da Venezuela

    Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela acusa 3 deputados de traição

    © REUTERS / Marco Bello
    Américas
    URL curta
    2100

    O Supremo Tribunal de Justiça (TSJ) da Venezuela ordenou o julgamento dos deputados da oposição Juan Pablo García, José Guerra e Tomás Guanipa, por traição.

    "Na comissão flagrante dos crimes tipificados como: Traição à Pátria, Conspiração, Instigação à Insurreição, Rebelião Civil, Concerto por Delegação, Usurpação de Funções; Instigação Pública à desobediência das leis e ao ódio, tudo em forma contínua. , prevista e sancionada nos artigos 128, 132, 143, 145, 163, 213, 285, todo o Código Penal ", afirma a decisão do TSJ.

    De acordo com a decisão da mais alta corte do país, o pedido contra os membros da Assembleia Nacional foi feito pelo procurador-geral, Tarek William Saab.

    "Como é a flagrante prática de crimes comuns, de acordo com o disposto na decisão nº 1684, de 4 de novembro de 2008, emitida pela Câmara Constitucional deste Supremo Tribunal de Justiça, o mérito não prossegue [...]", detalha a sentença.

    Da mesma forma, o TSJ mandou enviar uma cópia dessas ações ao presidente da Assembleia Nacional Constituinte (ANC), Diosdado Cabello.

    Até agora, em 2019, o TSJ ordenou processar mais de 14 deputados pelos mesmos crimes, para quem o ANC levantou sua imunidade para que eles possam ir a julgamento.

    Parlamentares foram acusados de participar do fracassado golpe contra o presidente Nicolás Maduro, no dia 30 de abril.

    Mais:

    Maduro propõe adiantar eleições para Assembleia Nacional
    Jornalista: mídia ocidental está mentindo e fabricando caos na Venezuela
    Turquia condena embargo dos EUA contra Venezuela
    Sanções dos EUA causaram redução do PIB da Venezuela em 7%, afirma analista
    Maduro: Venezuela está preparada para superar bloqueio dos EUA
    Tags:
    traição, Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar