09:27 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bolívares venezuelanos

    Sanções dos EUA causaram redução do PIB da Venezuela em 7%, afirma analista

    CC0 / Unsplash
    Américas
    URL curta
    738
    Nos siga no

    As sanções dos EUA aplicadas contra a Venezuela causaram uma redução de 7% no PIB deste país sul-americano entre 2013 e 2017.

    A Venezuela registrou uma queda do seu Produto Interno Bruto, disse à Sputnik Mundo Aníbal García Fernández, integrante do Centro Estratégico Latino-Americano de Geopolítica (CELAG).

    "O bloqueio da Venezuela pelos EUA levou a que, nos últimos cinco anos, o país perdesse mais de 7% do PIB, o que fez com que muitas pessoas não tivessem acesso a alimentos e medicamentos", destacou Fernández, que investiga há vários anos o impacto das medidas impostas pelos EUA.

    O presidente estadunidense endureceu as sanções contra a Venezuela esta terça-feira, congelando todos os bens do governo venezuelano em território dos EUA, que pertençam a cidadãos norte-americanos ou que estejam sob o seu controle.

    O decreto de Trump se aplica ao Estado e ao Governo da Venezuela, a qualquer subdivisão política, agência ou sua estrutura, incluindo o Banco Central da Venezuela e a estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA).

    "É possível que, com a introdução destas novas sanções, mais pessoas fiquem com falta de alimentos e medicamentos porque restringe a entrada de divisas na Venezuela […] Mas é preciso lembrar que o governo venezuelano tem grande apoio popular. Apesar dos problemas econômicos, não estou vendo a saída de Nicolás Maduro nos tempos mais próximos.

    Desde 2013, grande parte do sistema financeiro internacional vem favorecendo o bloqueio das operações financeiras da Venezuela, explicou o especialista.

    Uma investigação da CELAG indica que os bancos Citibank, Comerzbank e Deutsche Bank, entre outras instituições financeiras, se prestaram a operações de bloqueio financeiro.

    População venezuelana com falta de medicamentos

    Em 2017, 300 mil doses de insulina pagas pelo Estado venezuelano não chegaram ao país porque o Citibank bloqueou a transação.

    Um total de 23 operações no sistema financeiro internacional não foram aceites este ano, entre elas 39 milhões de dólares em alimentos, produtos básicos e medicamentos.

    A organização não governamental Centro de Investigação Econômica e Política (CEPR) dos EUA estimou que as sanções econômicas de Washington constituem um "castigo coletivo" porque contribuíram para um aumento de 31% da mortalidade em geral na Venezuela entre 2017 e 2018, o que significa mais de 40.000 mortes, de acordo com os autores do estudo.

    "As sanções reduziram o consumo de calorias, fizeram aumentar a taxa de doenças e mortalidade, milhões de venezuelanos foram deslocados ou se viram obrigados a fugir do país, o resultado disso foi o agravamento da recessão econômica e a hiperinflação [...]. Todos estes impactos prejudicaram desproporcionalmente os venezuelanos mais carenciados e vulneráveis", afirma o CEPR.

    García Fernández afirmou que, com base na última análise do CELAG publicada em fevereiro deste ano, entre 2013 e 2017 se registraram prejuízos de 350 bilhões de dólares por causa deste tipo de sanções.

    O governo venezuelano qualificou esta ação como muito grave e pediu ao Conselho de Segurança da ONU e ao secretário-geral António Guterres para que se pronunciem sobre este assunto.

    Mais:

    Turquia condena embargo dos EUA contra Venezuela
    EUA pretendem colocar 34 navios ligados à PDVSA na lista de sanções
    Maduro diz que subsidiária da PDVSA é objeto de roubo com cumplicidade dos EUA
    Tags:
    sanções, EUA, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar