12:58 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Opositor venezolano, Juan Guaidó

    'Tudo conversa': venezuelanos perdem paciência com Guaidó e veem Maduro mais forte

    © Sputnik /
    Américas
    URL curta
    8142

    Quatro dias antes do líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, lançar uma rebelião militar em uma tentativa de derrubar o presidente Nicolás Maduro, ele disse a seus partidários em uma manifestação em Caracas: "Nos próximos dias, decidiremos nosso destino".

    O homem de 35 anos, que havia alcançado destaque nacional três meses antes, terminou seu discurso com seu habitual grito de guerra para os venezuelanos desesperados pelo fim de 20 anos de governo socialista: "Estamos no caminho certo!"

    No entanto, após a insurreição de 30 de abril ser rapidamente desfeita, com tropas permanecendo em seus quartéis e funcionários-chave do governo se recusando a mudar de lado, muitos venezuelanos não têm tanta certeza.

    Entrevistas com mais de duas dúzias de pessoas em toda a Venezuela - bem como dados recentes sobre pesquisas - sugerem que muitas pessoas ficaram frustradas com o ritmo lento da mudança em meio às dificuldades da vida cotidiana. Vários declararam que estavam perdendo a esperança de que Guaidó pudesse desalojar Maduro.

    "Estamos no caminho certo, mas é a pista errada", comentou Rafael Narvaez, motorista de táxi na cidade costeira de Punto Fijo, em entrevista à Agência Reuters.

    Narvaez ponderou que estava cheio de esperança em 30 de abril quando viu Guaidó aparecer com oficiais militares em um vídeo postado no Twitter dizendo que era hora de se levantar contra Maduro.

    "Eu pensei que finalmente chegara o momento de recuperar nosso país", afirmou Narvaez, de 43 anos. "Agora estou desapontado".

    Los opositores venezolanos Juan Guaidó y Leopoldo López
    Los opositores venezolanos Juan Guaidó y Leopoldo López

    Analistas disseram que o resultado mais provável agora é que o status quo continue enquanto Maduro ganha a confiança de que sua ofensiva contra a oposição ficará relativamente impune e Guaidó busca uma nova estratégia para manter energizado um público cansado.

    Quando Guaidó, o presidente da Assembleia Nacional, proclamou em janeiro uma presidência rival em um ousado desafio a Maduro, ele injetou novas esperanças na oposição fragmentada da Venezuela. Com a maioria das nações ocidentais dizendo que a reeleição de Maduro no ano passado foi manipulada, Guaidó citou a constituição para anunciar uma presidência interina até que novas eleições possam ser realizadas.

    Washington apoiou-o e impôs novas e duras sanções à indústria petrolífera da Venezuela, com o objetivo de forçar Maduro e seus aliados do poder.

    Maduro, que assumiu o cargo em 2013 após a morte de seu mentor político, Hugo Chávez, supervisionou um colapso econômico que deixou uma parte do país outrora rico sem acesso confiável a energia, água, alimentos e remédios. Mais de 4 milhões de venezuelanos emigraram e a Organização dos Estados Americanos (OEA) alertou nesta semana que esse número pode dobrar até o final do próximo ano.

    Guaidó ganhou o controle de alguns ativos venezuelanos nos Estados Unidos, nomeou diplomatas no exterior e revelou um plano econômico para reconstruir a Venezuela. Mas suas promessas de anistia não conseguiram influenciar as Forças Armadas, que permanecem leais a Maduro.

    Desde o levante de 30 de abril, o ímpeto da oposição diminuiu. A participação nos comícios públicos de Guaidó caiu e a oposição não realizou grandes protestos desde então. Uma marcha marcada para sexta-feira será um teste decisivo para o apoio de Guaidó.

    Maduro, que mantém a lealdade dos principais aliados da Rússia e da China, classificou Guaidó como um fantoche dos EUA.
    Com uma remoção rápida de Maduro que não está à vista, a oposição diz que está se esforçando para uma campanha mais demorada e buscando construir uma organização de base para pressionar por eleições sem Maduro.

    Yon Goicoechea, membro da equipe política de Guaidó, reconheceu que havia "fadiga" entre os venezuelanos. "Temos que lutar contra a desmobilização e o desespero", disse ele. "Nós, venezuelanos, precisamos nos manter consistentes em nosso apoio a Guaido e sermos pacientes".

    Suporte à recuperação

    Para manter o ímpeto, Goicoechea disse que Guaidó viajou para 11 dos 23 estados da Venezuela e viajaria pelo menos mais cinco neste mês para motivar seus partidários.

    Goicoechea informou que Guaido estava focado em expandir uma rede de Comitês de Ajuda e Liberdade, um programa que a oposição iniciou em abril para organizar esforços em nível local - algo que o Partido Socialista, no poder, fez com sucesso.

    No entanto, os participantes dizem que até agora os comitês têm pouca força. Rafael Mora, um médico de 27 anos e partidário de Guaidó na cidade de Barquisimeto, no noroeste do país, disse que muitos venezuelanos queriam uma mudança imediata sem estar dispostos a trabalhar para isso.

    "Não podemos deixar toda a responsabilidade apenas nas mãos de um líder, um messias", afirmou Mora, que conheceu Guaidó quando ele visitou no final de maio.

    O apoio a Guaidó continua alto, mas caiu de 61,2% em fevereiro para 56,7% em maio, de acordo com um relatório de 10 de junho do instituto venezuelano Datanalisis. Apenas 10,1% dos venezuelanos aprovaram Maduro em maio, o nível mais baixo para um presidente desde 1999, segundo a pesquisa.

    Enquanto isso, uma pesquisa da DatinCorp mostrou a proporção de venezuelanos que reconheceram Guaidó como o presidente legítimo caiu de 49% em fevereiro para 36% em junho.

    Raul Gallegos, diretor associado da consultoria Control Risks, disse que seu cenário base é que Maduro ainda esteja no poder até o final do ano e que a oposição perca força. Não parece que Guaidó tinha um "Plano B" para desalojar Maduro, disse Gallegos.

    "Podemos esperar que a popularidade de Guaido continue a corroer enquanto ele não estiver exercendo poder", disse ele.

    'Tudo conversa'

    A crise da Venezuela recebeu menos atenção pública do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, nas últimas semanas, quando a Casa Branca se envolveu em um confronto com o Irã e as tensões sobre uma disputa comercial com a China.

    Quando Trump lançou sua campanha de reeleição em Orlando, Flórida, em 18 de junho, ele fez apenas uma breve menção à Venezuela, embora os assessores insistam que ele continua comprometido com Guaidó.

    Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, sorri durante reunião com membros do governo no Palácio de Miraflores, em Caracas, Venezuela, em 23 de abril de 2019
    © REUTERS / Palácio de Miraflores
    Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, sorri durante reunião com membros do governo no Palácio de Miraflores, em Caracas, Venezuela, em 23 de abril de 2019

    Desde o levante de abril, o governo de Maduro reprimiu os aliados de Guaidó sem retaliação significativa da comunidade internacional. A Suprema Corte acusou 14 parlamentares da oposição de crimes como traição e conspiração, o que levou a maioria a fugir para o exterior ou se refugiar em embaixadas estrangeiras em Caracas.

    Alguns venezuelanos entrevistados criticaram a decisão de Guaidó de enviar enviados a Oslo para conversas com representantes do governo de Maduro. Em vez disso, eles exigiram que Guaidó mudasse de estratégia e solicitasse uma intervenção militar liderada pelos EUA - uma possibilidade que Washington repetidamente minimizou.

    "Não podemos nos livrar de Maduro com votos. Terá que ser uma saída violenta", disse Juan Parra, um professor de 67 anos na cidade andina de Mérida, enquanto esperava para ver Guaidó falar.

    Enquanto o resultado mais desejado para os venezuelanos na pesquisa Datanalisis foram as negociações que levaram às eleições presidenciais deste ano, a preferência por uma invasão militar liderada pelos EUA subiu de 9,4% em abril para 11,9% em maio.

    Para muitos venezuelanos, as mudanças demoram a chegar e dezenas de milhares estão deixando o país todas as semanas.

    "Aposto que [Guaidó] mudaria nosso país", disse Andraimi Laya, uma ex-aluna de 22 anos, à Reuters, enquanto esperava em um posto de fronteira para entrar no Peru. "Mas, dado que é tudo conversa e não há organização, é muito difícil ficar lá".

    Mais:

    Trump afirma que sua abordagem quanto à Venezuela pode 'mudar a qualquer momento'
    Especialista: acordo do BRICS sobre Venezuela é impossível
    Trump afirma que Venezuela pode se tornar 'vila fantasma' devido à emigração
    Tags:
    golpe, oposição, crise na venezuela, Nicolás Maduro, Juan Guaidó, Rússia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar