01:03 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Luis Almagro, secretário-geral da OEA

    Secretário da OEA admite que diálogo com Guaidó consolidou Maduro na Venezuela

    © AP Photo / Jacquelyn Martin
    Américas
    URL curta
    11151
    Nos siga no

    A figura do presidente venezuelano Nicolás Maduro foi consolidada, enquanto a situação do deputado e líder da oposição Juan Guaidó perdeu força depois que o esforço de diálogo entre as partes foi levado adiante na Noruega, disse o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro.

    "Hoje vemos, depois da Noruega, que a imagem do presidente no comando [Guaidó] caiu muito, a de Maduro subiu e se consolidou, e de repente se tornou um interlocutor legitimado para certas coisas", avaliou Almagro ao portal de notícias PanAm Post.

    Em 16 de maio, o governo de Maduro e a oposição venezuelana iniciaram um processo de diálogo e duas reuniões foram realizadas em Oslo. As autoridades norueguesas limitaram-se a informar que as partes discutiram uma agenda com questões políticas, econômicas e eleitorais.

    É a primeira iniciativa de conversas que se conhece desde 21 de janeiro, quando começaram os protestos maciços contra Maduro na Venezuela, pouco depois do início de seu segundo mandato.

    Almagro, um duro crítico do governo de Maduro, advertiu que as tentativas de diálogo entre o partido no poder e a oposição da Venezuela nos últimos cinco anos sempre levaram a reforçar o "status quo".

    O secretário-geral da OEA disse que tem um bom relacionamento com Guaidó, a quem ele reconhece como presidente encarregado da Venezuela.

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acompanhado pelo ministro da Defesa, general Vladimir Padrino Lopez e pelo comandante das Operações Estratégicas, almirante Remigio Ceballos, chegam para um encontro com as tropas de Fort Tiuna, em Caracas.
    © AP Photo / Assessoria de Imprensa do Miraflores / Jhonn Zerpa
    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acompanhado pelo ministro da Defesa, general Vladimir Padrino Lopez e pelo comandante das Operações Estratégicas, almirante Remigio Ceballos, chegam para um encontro com as tropas de Fort Tiuna, em Caracas.

    "Nós conversamos no telefone há 10 dias, estamos em contato e vendo um pouco como você pode empurrar o barco para sair do colapso que está agora", comentou Almagro.

    Guaidó é reconhecido como presidente interino por 54 países, enquanto Maduro conta com o apoio da Rússia, China, Cuba, Bolívia, Irã e Turquia, entre outros países.

    Enquanto isso, México e Uruguai se recusaram a reconhecer Guaidó, declararam-se neutros e propuseram um diálogo entre as partes para superar a crise.

    Em 5 de janeiro, o deputado Juan Guaidó foi eleito presidente da Assembleia Nacional. Em 23 de janeiro, dois dias depois de o Supremo Tribunal anulou a sua nomeação, o deputado que se auto-proclamou presidente interino, usou um artigo da Constituição que prevê tal figura no caso de haver um vácuo de poder, mas não sob o argumento de "usurpação da posição", como alegou Guaidó.

    Maduro, que assumiu seu segundo mandato em 10 de janeiro, depois de uma eleição que a oposição boicotou, chamado de declaração Guaidó tentativa de golpe e culpou os EUA de terem orquestrado todo o plano.

    Mais:

    Washington Post: Trump perde interesse na Venezuela
    Cuba acusa Trump de 'calúnia' sobre suposta presença de seus militares na Venezuela
    Vice-chanceler revela por que militares russos chegaram à Venezuela
    Tags:
    crise na venezuela, diplomacia, Luis Almagro, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Oslo, Noruega, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar