08:37 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Hacker anônimo trabalhando ao computador

    EUA: analistas que denunciaram supostos ataques russos agora falam em 'hackers iranianos'

    © flickr.com/ Patrick Foto ;)
    Américas
    URL curta
    112

    Hackers iranianos estão ameaçando os sistemas de computadores dos EUA, afirmaram as firmas de segurança cibernética FireEye e CrowdStrike, assim como as tensões entre Washington e Teerã arrefeceram após os dois países ficarem à beira da guerra.

    "Realmente, estamos vendo uma atividade cibernética aumentada que parece estar voltada para o Ocidente", disse Adam Meyers, vice-presidente de Inteligência da CrowdStrike, ao site Politico. "No início de junho, meados de junho é quando realmente começou a dar o pontapé inicial".

    Ben Read, analista sênior de espionagem da FireEye, confirmou a linha do tempo e afirmou ao site que a última campanha é liderada por um grupo de hackers iraniano conectado ao governo conhecido como APT33 ou "Refined Kitten".

    A revista Wired publicou uma reportagem na quinta-feira também alegando ataques iranianos, baseados em informações da CrowdStrike e outra empresa, a Dragos - desta vez visando o Departamento de Energia dos EUA com e-mails de phishing fingindo vir do Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca.

    "O Departamento de Energia está ciente dos relatos da atividade do APT33 e, por razões de segurança, não comentamos sobre a atual atividade cibernética direcionada às redes do Departamento", informou a agência em um comunicado.

    O CrowdStrike é o empreiteiro que acusou a Rússia de invadir o Comitê Nacional Democrata (DNC) em 2016. Os investigadores federais apenas acreditaram nisso, nunca examinando os computadores do DNC.

    A FireEye também acusou a Rússia de tentar hackear os democratas, desta vez durante as eleições de 2018. A empresa também escolheu Hillary Clinton - do servidor de e-mail privado na fama do ático - como o orador principal em sua próxima conferência sobre segurança cibernética em outubro.

    Alegações de guerra cibernética iraniana ocorreram quando quase todos em Washington esperavam alguma forma de ação militar dos EUA contra Teerã após o abate de um avião espião norte-americano sobre o estreito de Ormuz, na quinta-feira.

    Uma guerra parece ter sido evitada no momento, com o presidente Donald Trump dizendo nesta sexta-feira que ele mudou de ideia sobre uma resposta "desproporcional" poucos minutos antes da operação estar em andamento.

    Mais:

    EUA não têm recursos suficientes para intervenção militar no Irã, diz analista
    EUA: Irã pretende recorrer aos aliados na região para atacar Arábia Saudita
    EUA aumentarão a supervisão de entidades financeiras sediadas no Irã, diz Pompeo
    Tags:
    Donald Trump, espionagem, guerra, hackers, russiagate, guerra cibernética, Irã, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar