14:36 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    O procurador-assistente dos EUA, Mark Lesko e Keith Raniere em sessão no Tribunal Federal dos EUA no Brooklyn.

    Líder de famosa seita sexual nos EUA é considerado culpado e pode pegar prisão perpétua

    © REUTERS / JANE ROSENBERG
    Américas
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    O líder da famigerada seita sexual NIXVM, Keith Raniere, que ficou conhecido pelos escândalos envolvendo abuso sexual e violência entre os membros foi considerado culpado por inúmeras acusações e pode enfrentar uma sentença de prisão perpétua, informou o jornal New York Post.

    Depois de quase cinco horas de deliberações, Raniere foi considerado culpado de sete acusações de extorsão, conspiração, tráfico sexual, conspiração, tentativa de tráfico sexual, trabalho forçado e conspiração de fraude. A primeira condenação por si só é suficiente para uma sentença de prisão perpétua, de acordo com a reportagem.

    Testemunhas, que incluíam as "escravas sexuais" de Raniere, disseram que foram marcadas com suas iniciais, forçadas a fazer sexo com o líder do culto e deixadas com fome por dias. Eles também disseram que ele dirigia um círculo secreto chamado DOS, no qual os escravas eram encarregados de recrutar escravas para si próprias.

    LEIA MAIS: Rabino condenado por agressão sexual alega que pode reviver mortos, expõe mídia

    O líder do culto também é acusado de fazer sexo com uma menina de 15 anos, embora o crime de pedofilia não tivesse sido incluído no veredicto.

    Outros membros do culto, incluindo a presidente do NXIVM, Nancy Salzman, sua filha Lauren Salzman, a estrela da série "Smallville" Allison Mack e a herdeira do ramo de bebidas alcoólicas da Seagram, Clare Bronfman, foram julgadas ao lado de Raniere. Todos se declararam culpados, segundo o Post. Raniere se declarou inocente de todas as acusações.

    A condenação está marcada para 25 de setembro.

    Tags:
    Estados Unidos, escândalo sexual, New York Post
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar