16:02 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acompanhado pelo ministro da Defesa, general Vladimir Padrino Lopez e pelo comandante das Operações Estratégicas, almirante Remigio Ceballos, chegam para um encontro com as tropas de Fort Tiuna, em Caracas.

    Maduro volta a ordenar que militares estejam preparados para repelir invasão dos EUA

    © AP Photo / Assessoria de Imprensa do Miraflores / Jhonn Zerpa
    Américas
    URL curta
    1102
    Nos siga no

    O presidente da Venezuela também ordenou aos militares que vasculhem suas fileiras em busca de "traidores" a mando dos EUA.

    O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pediu que as Forças Armadas se preparem para repelir uma possível invasão norte-americana. A informação foi divulgada pelo Twitter.

    "Ordenei que todas as unidades militares estejam vigilantes e prontas para proteger a paz, para tornar impossível qualquer tentativa do império norte-americano contra a nossa pátria. A paz será a nossa vitória!", escreveu Maduro.

    Autoridades dos EUA continuam dizendo que "todas as opções" são possíveis em relação à Venezuela — uma frase repetidamente proferida pelo assessor de segurança nacional da Casa Branca, John Bolton.

    O tweet reafirma uma ordem semelhante dada por Maduro durante uma manifestação militar chamada "Marcha da Lealdade" no estado de Carabobo, no norte do país, segundo o El Nacional.

    Falando diante dos militares na terça-feira, o presidente ordenou que os militares capturassem traidores dentro de suas fileiras.

    "Se um traidor aparecer, capture-o imediatamente. É uma ordem: capture-o imediatamente!" Maduro disse.

    Ele também ordenou aos militares que "ativassem" os "sistemas de armas de modo a tornar que qualquer aventura [contra a Venezuela] impossível para o imperialismo", relata o El Nacional.

    Tags:
    El Nacional, Forças Armadas da Venezuela, Casa Branca, John Bolton, Nicolás Maduro, Carabobo, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar