17:32 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Uma garrafa plástica e outros detritos em praia do Oceano Índico localizada em Uswetakeiyawa, Sri Lanka.

    EUA se recusam a assinar acordo de 187 países que regulamenta exportação de lixo plástico

    © AP Photo / Gemunu Amarasinghe
    Américas
    URL curta
    717
    Nos siga no

    Na sexta-feira, governos de 187 países concordaram em assinar um novo acordo chancelado pela ONU com o objetivo de limitar a exportação de resíduos plásticos. Os Estados Unidos de Donald Trump, porém, decidirão não participar da iniciativa.

    A proposta apresentada pela ONU é acrescentar o plástico misto à Convenção da Basileia sobre o Controle de Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e seu Depósito, um tratado de 30 anos que impede que países enviem resíduos perigosos para o mundo em desenvolvimento sem o consentimento do governo receptor.

    Sob o tratado de 1989, exportadores devem receber o consentimento dos governos locais antes de despacharem lixo plástico contaminado, misturado e não reciclável. Segundo as Nações Unidas, mais de 8,3 bilhões de toneladas de plástico foram produzidas em todo o mundo desde o início dos anos 50. Cerca de 60% de todo o plástico acaba no meio ambiente ou em aterros. Atualmente, pelo menos 8 milhões de toneladas de plástico são despejados no oceano todos os anos.

    Em 2018, a Alemanha, os EUA e o Japão exportaram mais de 907,18 toneladas de resíduos plásticos para os países do Sudeste Asiático.

    Como resultado da guerra comercial de Trump entre Washington e Pequim, desde 2017 a China se recusa a importar plástico usado e, de acordo com um estudo publicado em 2018 na revista Science Advances, "estima-se que 111 milhões de toneladas de resíduos plásticos serão deslocados com a nova política chinesa até 2030".

    "Isso está enviando um forte sinal político para o resto do mundo — para o setor privado, para o mercado consumidor — de que precisamos fazer alguma coisa", observou Rolph Payet, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, referindo-se à decisão de atualizar o tratado para incluir o plástico. "Os países decidiram fazer algo que se traduzirá em ação real", acrescentou.

    No entanto, apesar do fato de não ratificarem a proposta da Noruega para restringir as exportações de plásticos a países menos desenvolvidos, o comércio dos EUA com os países será afetado pelo acordo.

    "[O acordo] só permitiria que os EUA exportassem resíduos de plástico que já estão separados, limpos e prontos para reciclagem", disse à Reuters David Azoulay, do Centro para o Direito Ambiental Internacional (CIEL). "Que é exatamente o tipo de lixo que eles enviam por não ter valor".

    Tags:
    Convenção da Basileia sobre o Controle de Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e seu Depósito, Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Science Advances, Reuters, Nações Unidas, ONU, Rolph Payet, David Azoulay, Donald Trump, Estados Unidos, Sudeste Asiático, Pequim, Noruega, China, Japão, Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar