04:22 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    O co-fundador do WikiLeaks, Julian Assange, faz um discurso perante jornalistas e manifestantes de uma varanda da Embaixada do Equador em Londres.

    Equador fornecerá aos EUA documentos e dispositivos pessoais de Assange

    © Sputnik / Alex MacNaughton
    Américas
    URL curta
    815
    Nos siga no

    O governo equatoriano vai entregar a Washington documentos do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que atualmente são mantidos na Embaixada do Equador em Londres.

    O Equador também fornecerá a Washington os telefones celulares, computadores, cartões de memória e outros dispositivos de armazenamento de dados de Assange, encontrados após uma busca na sala onde ele morava, informou o El País neste domingo, citando uma nota oficial do advogado de Assange. A entrega deve ser realizada no dia 20 de maio.

    Foi o Gabinete do Procurador Geral do Equador que informou ao advogado equatoriano de Assange, Carlos Poveda, sobre a decisão de repassar aos EUA os pertences do australiano.

    Assange foi preso na capital do Reino Unido no dia 11 de abril, depois de ter o status de asilado revogado pelo Equador. Ele foi condenado a 50 semanas de prisão por ter violado os termos de liberdade provisória em 2012, quando se refugiou na Embaixada do Equador em Londres para evitar a extradição para a Suécia devido a uma investigação de agressão sexual (posteriormente retirada). Os Estados Unidos tentam extraditar Assange sob acusação de conspiração para realizar ataques cibernéticos.

    Os Estados Unidos tê, até o dia 12 de junho para fornecer a Londres todos os documentos necessários para a extradição. Advogados e apoiadores do ativista temem que ele possa ser acusado pela Lei de Espionagem nos Estados Unidos e enfrentar a pena de morte.

    Tags:
    Lei de Espionagem, Embaixada do Equador em Londres, WikiLeaks, Gabinete da Procuradoria-Geral do Equador, Carlos Poveda, Julian Assange, Londres, Equador, Washington, Estados Unidos, Suécia, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar