10:28 18 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Donald Trump (File)

    'Força Espacial' de Trump custará bilhões aos cofres públicos dos EUA, diz relatório

    © AP Photo / John Locher
    Américas
    URL curta
    360
    Nos siga no

    A Força Espacial dos Estados Unidos, proposta pelo presidente Donald Trump, custará entre US$ 1,4 bilhão e US$ 3,2 bilhões para se estabelecer, além de US$ 1,5 bilhão por ano para pagar seus funcionários e despesas gerais. As estimativas foram divulgadas pelo Escritório Orçamentário do Congresso (CBO) nesta quinta-feira (9).

    O relatório estima que A Força Espacial precisaria de entre 5,4 mil a 7,8 mil posições gerenciais, além de cerca de 22,9 militares e civis transferidos de outros ramos das Forças Armadas dos EUA.

    Primeiro navio da Coreia do Norte chega ao porto russo de Vladivostok
    © Sputnik / Semyon Apasov
    "Essas novas posições aumentariam os custos do DoD [Departamento de Defesa dos EUA] entre US$ 1,1 bilhão e US$1,5 bilhão por ano", disse o relatório.

    "Além disso, as estimativas do CBO que o estabelecimento de um novo departamento militar incorreria em custos de US$ 1,4 bilhão a US$ 3,2 bilhões, principalmente para novas instalações de escritórios", acrescentou o documento.

    Em fevereiro, Trump assinou uma diretiva que centralizou todas as funções espaciais militares sob uma divisão da Força Espacial dentro da Força Aérea dos EUA.

    Os funcionários da administração Trump chamaram a decisão de um passo para a criação de um 6º ramo das Forças Armadas dos EUA, o que exigiria a aprovação do Congresso.

    Mais:

    EUA precisam de uma força espacial porque a Rússia está à frente nisso, diz Trump
    Trump anuncia criação da Força Espacial Militar dos Estados Unidos
    Donald Trump é zoado na Internet por querer dominar espaço com 'Força Espacial' (FOTOS)
    Trump ameaça mundo com criação de força espacial
    Tags:
    militarismo, exploração espacial, Força Espacial Militar dos Estados Unidos, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar