00:47 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    6152
    Nos siga no

    O vice-ministro das Relações Exteriores do Irã, Abbas Araghchi, disse que o Irã considera sair gradualmente do JCPOA (popularmente conhecido como acordo nuclear iraniano) de acordo com a IRIB (Rede de Transmissão da República Islâmica do Irã).

    No começo do dia, o Irã disse que estava suspendendo algumas de suas obrigações sob o acordo nuclear após intensificação das sanções promovida por Washington. Os EUA, por sua vez, impuseram sanções adicionais, relativas a ferro, aço, alumínio e cobre contra Teerã. Donald Trump assinou nesta manhã uma ordem executiva impondo sanções ao ferro, aço, alumínio e cobre iranianos. 

    O presidente Hassan Rouhani enviou uma carta aos países signatários JCPOA, notificando-os de que Teerã daria às partes do acordo 60 dias para retornar à mesa de negociação e garantir que os interesses do Irã previstos no acordo sejam protegidos.

    Exatamente um ano atrás, o governo Trump anunciou que estava saindo do JCPOA e restabelecendo sanções a Teerã. A decisão incluiu imposição de sanções secundárias contra empresas e instituições financeiras de países que fazem negócios com a República Islâmica.

    No contexto da campanha de pressão dos EUA contra o Irã, a Guarda Revolucionária Islâmica do Irã foi denominada como uma organização terrorista estrangeira e americanos também instalaram o super-porta-aviões de propulsão nuclear USS Abraham Lincoln na região e uma força-tarefa composta por quatro bombardeiros B-52 com capacidade nuclear.

    Teerã, por sua vez, colocou o Comando Central dos Estados Unidos (CENTCOM), operando no Oriente Médio, sob a mesma designação terrorista, classificando o anúncio como um "ato de guerra psicológica".

    Tags:
    B-52, USS Abraham Lincoln, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, CENTCOM, Donald Trump, Abbas Araghchi, Teerã, Oriente Médio, Estados Unidos, Washington, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar