21:01 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, em Caracas, 8 de agosto de 2017

    Ministro venezuelano revela como o Irã ajuda Caracas a superar sanções dos EUA

    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Américas
    URL curta
    1261
    Nos siga no

    O Irã, que vive sob fortes sanções americanas há várias décadas, está dando consultoria à Venezuela, atingida pela crise, sobre como superar o bloqueio econômico e aumentar a produção, revelou o ministro de Relações Exteriores, Jorge Arreaza.

    Por várias décadas, Teerã "vem aumentando sua economia sob as sanções impostas pelos Estados Unidos em uma tentativa de buscar independência em vários setores", disse Arreaza a repórteres durante sua visita a Moscou.

    Explicando ainda mais, ele disse que o Irã tem uma experiência indispensável para desafiar a pressão contínua dos EUA.

    "Temos muito a aprender com o Irã. Temos consultores iranianos no governo venezuelano que nos ajudam a sobreviver ao bloqueio e aumentar a produção", revelou.

    O Irã sofre com as sanções impostas pelos EUA desde a Revolução Islâmica de 1979, que derrubou o líder pró-Ocidente Shah Mohammad Reza Pahlavi. As restrições visavam as finanças, as exportações e as importações iranianas, bem como a energia e as Forças Armadas.

    A maioria das sanções que paralisaram a economia do Irã foi suspensa depois que o Irã e as cinco potências mundiais, EUA, Reino Unido, França, China e Rússia, além da Alemanha, assinaram o acordo nuclear de 2015. Mas os EUA abandonaram unilateralmente o marco do presidente Donald Trump, que o rotulou como "o pior negócio de todos os tempos", e re-implantaram as sanções em novembro passado.

    Da mesma forma, os EUA impuseram à Venezuela restrições à segmentação da indústria petrolífera do país latino-americano, incluindo a principal estatal, a PDVSA. Essas sanções foram fortemente condenadas por Caracas, que as rejeitou como chantagem econômica.

    Além da consultoria iraniana, a Venezuela está buscando formas alternativas de lidar com países amigos em todo o mundo, incluindo a China e a Rússia. "Esses métodos e rotas não são construídos durante a noite, precisamos de muito tempo para criá-los", admitiu o chanceler.

    Mais:

    Trump contradiz declarações de Pompeo e Bolton sobre Venezuela após conversa com Putin
    Maduro: caso EUA ataquem Venezuela, militares devem estar prontos para defendê-la
    Senador russo: intervenção militar dos EUA na Venezuela será considerada 'agressão'
    Tags:
    diplomacia, relações bilaterais, sanções, Jorge Arreaza, Estados Unidos, Venezuela, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar