11:58 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, sorri durante reunião com membros do governo no Palácio de Miraflores, em Caracas, Venezuela, em 23 de abril de 2019

    Rússia diz que crise na Venezuela deve ser resolvida por diálogo 'sem condições prévias'

    © REUTERS / Palácio de Miraflores
    Américas
    URL curta
    13180

    As questões da Venezuela devem ser resolvidas por meio de conversas responsáveis e ​​sem condições prévias, disse o Ministério das Relações Exteriores da Rússia em comunicado nesta terça-feira (30).

    Em nota, Moscou pediu uma "renúncia à violência" e disse que "é importante evitar a desordem e derramamento de sangue."

    "Os problemas enfrentados pela Venezuela devem ser resolvidos através de um processo de negociação responsável, sem condições prévias. Todas as ações devem ser tomadas exclusivamente no âmbito do campo legal, em estrita conformidade com a Constituição e sem interferência externa destrutiva", afirma o comunicado. 

    A Rússia também reitera que defende que "todos os membros da comunidade internacional, incluindo os vizinhos mais próximos do país" sigam os principíos da Carta das Nações Unidas e o direito internacional "para apoiar o retorno da Venezuela ao caminho do desenvolvimento estável e progressivo através do diálogo de todas as forças políticas responsáveis."

    O autoproclamado presidente Juan Guaidó publicou vídeo no Twitter nesta terça-feira em que diz ter apoio das Forças Armadas e pede ajuda da população para derrubar o presidente Nicolás Maduro.

    Maduro, todavia, afirma que os militares continuam ao seu lado. 

    Mais:

    Ministro venezuelano acusa Colômbia de financiar golpe de Estado na Venezuela
    Mourão diz que situação na Venezuela 'não tem mais volta'
    Exército da Venezuela expressa apoio a Nicolás Maduro
    México aciona Mecanismo de Montevidéu para tratar da crise na Venezuela
    Bolsonaro reitera apoio a Guaidó: 'povo venezuelano é escravizado por um ditador'
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar