12:20 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Parede pintada com as cores da bandeira da Venezuela em um estabelecimento da cidade brasileira de Pacaraima, perto da fronteira entre os dois países

    Venezuela anuncia saída oficial da Organização dos Estados Americanos, diz chanceler

    © Sputnik / Renan Lúcio
    Américas
    URL curta
    4130

    O ministro venezuelano de Relações Exteriores, Jorge Arreaza, declarou neste sábado que a Venezuela já não é oficialmente parte da Organização dos Estados Americanos (OEA).

    O presidente venezuelano Nicolás Maduro anunciou a decisão de deixar o bloco em 2017, apoiando a retirada imediata do país da OEA, embora o procedimento normalmente leve dois anos.

    A OEA não reconheceu o novo mandato presidencial de Maduro, iniciado em 10 de janeiro.

    "A partir de hoje [sábado], a República Bolivariana da Venezuela não pertence à OEA, cumprimos todos os prazos e cumprimos a vontade do povo venezuelano", afirmou Arreaza durante uma marcha de partidários do governo em Caracas.

    Comentando as recentes sanções dos EUA contra ele, Arreaza disse que sua única conta bancária era uma conta em um banco estatal venezuelano, para a qual seu salário foi transferido.

    Na sexta-feira, o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros do Departamento do Tesouro dos EUA impôs sanções a Arreaza e à juíza venezuelana Carol Padilla. Em seu discurso nas Nações Unidas no início desta semana, o principal diplomata criticou os Estados Unidos por seus supostos esforços para dominar as Nações Unidas e denunciou o apelo dos EUA a outros membros da organização para que reconheçam o governo do líder da oposição venezuelana Juan Guaidó, que proclamou ele mesmo presidente interino do país.

    Os Estados Unidos atacaram autoridades e empresas venezuelanas com múltiplas sanções nos últimos meses em meio a sua campanha para forçar Maduro a sair do poder.

    Enquanto os Estados Unidos e mais de 50 outras nações reconheceram Guaidó, Maduro chamou-o de fantoche dos EUA e disse que os Estados Unidos tentaram orquestrar um golpe na Venezuela para efetuar uma mudança de governo e reivindicar os recursos do país.

    China, Rússia, Bolívia, Turquia e numerosas outras nações reconhecem Maduro como o único presidente legítimo da Venezuela.

    Mais:

    Chanceler: 'Venezuela espera que EUA autorizem negociações entre Maduro e oposição'
    'Imagine': diplomata dos EUA evoca John Lennon por uma Venezuela 'próspera'
    Venezuela é laboratório dos EUA antes de 'ataques' contra Cuba e Nicarágua, diz oficial russo
    Tags:
    sanções, Jorge Arreaza, crise na venezuela, diplomacia, Organização dos Estados Americanos (OEA), Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar