06:36 24 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Vista de um arranha-céu, do Centro Internacional de Negócios de Moscou, Moscow City, e do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, na capital russa

    Moscou condena sanções dos EUA contra ministro das Relações Exteriores da Venezuela

    © Sputnik / Maksim Blinov
    Américas
    URL curta
    8100

    Moscou está indignada com as sanções de Washington contra o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, informou o Ministério das Relações Exteriores da Rússia em um comunicado nesta sexta-feira.

    O Departamento de Controle de Ativos Estrangeiros do Departamento do Tesouro dos EUA (OFAC) publicou em seu site, também nesta sexta-feira, que os EUA impuseram sanções a Arreaza e à juíza Carol Padilla.

    "Ficamos indignados com os relatos de que os Estados Unidos impuseram sanções pessoais ao ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Arreaza. Mais uma vez foi realizada uma tentativa flagrante de pressionar o governo daquele país e todo o povo venezuelano", declarou o ministério russo.

    "Solicitamos aos Estados Unidos que retornem ao campo jurídico internacional, que detenham a política de chantagem e deixem de provocar tensão na Venezuela. A comunidade mundial precisa promover o estabelecimento de um diálogo intra-venezuelano inclusivo. Não há alternativa a isso", concluiu a chancelaria russa.

    O ministério também alegou que Washington está buscando, por meio de sanções, impedir contatos internacionais de autoridades legítimas em Caracas, inclusive na sede da ONU em Nova York.

    Mais:

    Venezuela é laboratório dos EUA antes de 'ataques' contra Cuba e Nicarágua, diz oficial russo
    Ativista protesta contra política dos EUA na Venezuela em evento oficial (VÍDEO)
    'Imagine': diplomata dos EUA evoca John Lennon por uma Venezuela 'próspera'
    Helicóptero policial cai na Venezuela e deixa ao menos 2 mortos
    Chanceler: 'Venezuela espera que EUA autorizem negociações entre Maduro e oposição'
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar