10:32 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Refinaria de petróleo ao sul de Teerã, capital do Irã

    Brian Hook: 'Ou [países parceiros] trabalham com os EUA ou continuam a lidar com o Irã'

    © AP Photo / Vahid Salemi
    Américas
    URL curta
    0 214

    O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou decisão de não reemitir exceções para que países importem petróleo iraniano. Medida impacta principalmente China, Turquia e Índia.

    Mais de 20 países reduziram seu comércio de petróleo com o Irã a zero desde maio passado, disse Brian Hook, representante especial dos EUA em uma entrevista coletiva nesta terça-feira.

    O oficial observou que Washington deu escolha a outros países: ou trabalham com os Estados Unidos ou continuam a lidar com o Irã.

    "Não há evidências de que algum desses países esteja pensando em escapar das sanções americanas", disse ele.

    Ao mesmo tempo, Hook prometeu que os EUA ajudarão o Iraque a aumentar sua produção de petróleo, de modo que a Turquia e outros países importadores permaneçam bem supridos depois que Washington acabar com as dispensas de sanções do Irã.

    "Temos trabalhado em importantes aberturas diplomáticas e ajudado o lado técnico do Iraque a aumentar sua produção, e estamos muito satisfeitos em ver volumes significativos de petróleo iraquiano sendo importados agora para a Turquia", disse Hook. "Essas aberturas continuarão para que a Turquia, assim como todos os países importadores, consigam obter o petróleo necessário para continuar a desenvolver suas economias".

    As renúncias, que não serão reeditadas depois de expirarem em maio, como Trump anunciou segunda-feira, foram emitidas a oito países em novembro de 2018, incluindo China, Japão, Índia, Itália, Grécia, Coreia do Sul, Taiwan e Turquia. No entanto, a Grécia, a Itália e Taiwan decidiram interromper as importações de petróleo iraniano mesmo sem precisar fazê-lo.

    Comentando a decisão, Washington anunciou que os EUA, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos (EAU) garantiriam que o mercado global de petróleo continuará sendo "adequadamente suprido".

    A medida gerou um aumento significativo nos preços do petróleo: o benchmark internacional aumentou 2,6%, para US$ 73,87 por barril, o maior desde o início de novembro, enquanto o mercado futuro subiu 2,4%, para US$ 65,52.

    O anúncio atraiu objeções rápidas da Turquia e China, que estavam entre os países que anteriormente receberam tais renúncias. O ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, criticou a decisão dos EUA em um post no Twitter, dizendo que seu país rejeita sanções unilaterais e tentativas dos EUA de impor regras sobre as relações da Turquia com seus vizinhos.

    Tags:
    petróleo, sanções, Ministério das Relações Exteriores da Turquia, Donald Trump, Mevlut Cavusoglu, Brian Hook, Washington, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar