04:03 20 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Manifestante com a bandeira venezuelana

    'Batam palmas': Rússia pede que EUA sigam 'longe do gatilho' por guerra na Venezuela

    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    Américas
    URL curta
    27591

    Respondendo ao Departamento de Estado dos EUA que estava "aplaudindo" os países que ficaram do lado dos esforços de mudança de regime de Washington na Venezuela, o Ministério de Relações Exteriores da Rússia disse que aplaudir pelo menos manteve o dedo dos EUA fora do gatilho.

    Aplaudindo a decisão de Malta de negar a passagem para aviões russos com destino a Caracas, a recém-indicada porta-voz do Departamento de Estado, Morgan Ortagus, conclamou todos os países a "seguir o exemplo de Malta para impedir o apoio do Kremlin ao ditador", o presidente venezuelano Nicolás Maduro.

    "Aplaudimos o governo do #Malta por se recusar a permitir que os aviões russos usem seu espaço aéreo para abastecer o brutal regime anterior na Venezuela. Pedimos a todos os países que sigam o exemplo de Malta para impedir o apoio do Kremlin ao ditador Maduro. #EstamosUnidosVE @MFAMalta", escreveu a porta-voz norte-americana.

    Respondendo a Ortagus no Twitter, o Ministério de Relações Exteriores da Rússia destacou que os EUA deveriam continuar batendo palmas, já que isso a manteria ocupada o suficiente para não iniciar nenhuma guerra.

    "Estamos nos esforçando para manter as mãos longe do gatilho. Então continue aplaudindo - pelo menos é inofensivo", rebateu.

    O entendimento do Departamento de Estado dos EUA sobre "democracia" na Venezuela é apoiar o líder da oposição, Juan Guaidó, e impor sanções até que ele seja instalado no poder. As tentativas de Guaidó de reivindicar o título de "presidente interino" desde janeiro não conseguiram impressionar a polícia, os militares e a maior parte do povo venezuelano.

    Lembrando aos EUA como as suas tentativas de "promover a democracia" em todo o mundo geralmente acabam, a porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, declarou a repórteres na quinta-feira que a situação lamentável com o espaço aéreo de Malta não era novidade.

    "Deixe-me lembrá-lo de que já passamos por isso antes", afirmou Zakharova. "Quando enviamos ajuda humanitária para a Síria, nossos aviões também tiveram negada a liberação do espaço aéreo. Lembre-se dos obstáculos que eles colocam antes dos voos russos".

    Os mesmos países que buscavam impedir a ajuda russa à Síria estavam tentando realizar uma "mudança de regime" em Damasco, dando apoio ilegítimo a militantes "moderados", observou Zakharova.

    "Todos nos lembramos de como isso terminou", completou ela.

    Mais:

    Cientista político: EUA estão perdendo controle sobre situação na Venezuela
    Moscou: com novas sanções, EUA tentam mudar curso político de Cuba e Venezuela
    Venezuela recebe segunda remessa de ajuda humanitária da Rússia
    Tags:
    ajuda humanitária, relações bilaterais, diplomacia, crise na venezuela, guerra, Ministério de Relações Exteriores da Rússia, Morgan Ortagus, Maria Zakharova, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Malta, Venezuela, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar