15:09 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    O ex-diretor do FBI Robert Mueller, o conselheiro especial sondando a interferência russa na eleição de 2016, deixa o Capitólio após uma reunião a portas fechadas em Washington. (Arquivo)

    Mueller: 'Encontros entre equipe de Trump e Rússia são insuficientes para provar conluio'

    © AP Photo / Andrew Harnik
    Américas
    URL curta
    0 0 0

    O Departamento de Justiça dos EUA divulgou há pouco o relatório da investigação conduzida pelo procurador especial Robert Mueller sobre suposto conluio entre Trump e a Rússia. Documento tem quase 450 páginas divididas em dois volumes.

    De acordo com o relatório redigido por Mueller, investigadores "identificaram numerosos contatos entre conselheiros de campanha e nacionais russos afiliados ao governo durante a campanha e após a eleição", conforme citou o The New York Times. 

    Nem todos os encontros tiveram natureza política, porém. Segundo Mueller, conforme citado pelo jornal, russos também procuraram representantes do presidente para lidar com assuntos comerciais. O procurador se disse incapaz de determinar que tais contatos configuram algum tipo de conluio ou conspiração ilegal.

    Mueller detalha no documento alguns destes encontros. O texto detalha que o contato de Trump com a Rússia começou antes do início oficial da campanha, quando Trump assinou uma carta de intenções que previa a construção de uma Trump Tower em Moscou. O então advogado pessoal do bilionário, Michael Cohen, teria enviado um e-mail para tratar do assunto com o hoje secretário de imprensa do presidente Vladimir Putin, Dmitry Peskov.

    Um advogado russo também teria se encontrado com membros da equipe de campanha do republicano — incluindo o genro de Trump, Jared Kushner, o filho Trump Jr. e o coordenador de campanha, Paul Manafort, e ofereceu "documentos e informações oficiais que incriminariam Hillary". O caso já havia sido noticiado pela imprensa americana e Mueller não encontrou evidências de que o suposto advogado agia em nome do governo russo.

    O texto também traz relatos de esforços empreendidos pela equipe de Donald Trump em atrasar, atacar ou atrapalhar a investigação de Mueller. O procurador especial, porém, se disse incapaz de decidir se o presidente atuou para obstruir a justiça, já que atos como a demissão do ex-diretor do FBI, James Comey, fazia parte de suas atribuições presidenciais.

    Autoridades russas contestam as alegações desde 2016, acusando a classe política e a imprensa norte-americana de justificar a derrota de Hillary Clinton com uma mentira, além de usar o caso para  desviar a atenção do público de casos reais de fraude eleitoral e corrupção.

    Tags:
    The New York Times, FBI, Robert Mueller, Jared Kushner, Donald Trump, James Comey, Hillary Clinton, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar