03:36 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez (à esquerda), e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (à direita), durante encontro em Assunção, capital do Paraguai, no sábado, 13 de abril de 2019.

    Em 'turnê' pela América Latina, Pompeo faz campanha contra Maduro

    © AP Photo / Jorge Saenz
    Américas
    URL curta
    917
    Nos siga no

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, tornou a crise econômica e política da Venezuela no tema central de sua viagem de quatro dias pela América Latina. Neste sábado (13), Pompeo chamou o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, de "tirano" que causou a ruína do país sul-americano e de seu povo.

    Pompeo fez o comentário durante sua viagem à América Latina, que teve como uma das paradas a capital paraguaia, Assunção. Lá, o norte-americano conversou com o presidente paraguaio, Mario Abdo Benitez, sobre a crise da Venezuela, o fortalecimento da democracia na região e o combate ao crime transnacional. "Juntos, estamos trabalhando para restaurar a estabilidade e a democracia do caos causado por Maduro", disse ele.

    "Como membro do Grupo Lima, o Paraguai está entre os líderes em nosso hemisfério na defesa da democracia, chamando Maduro pelo que ele realmente é — um tirano sedento de poder que trouxe ruína para seu país e para seu povo", acrescentou.

    Pompeo disse também que o Paraguai é um parceiro nos esforços dos EUA para expulsar o socialista Maduro e substituí-lo pelo líder da oposição, Juan Guaidó, cuja autoproclamação como presidente interino foi apoiada por dezenas de países.

    O Paraguai rompeu relações diplomáticas com Caracas em 2018 e a crise venezuelana tem sido o tema central da turnê latino-americana de quatro países de Pompeo.

    Na sexta-feira (12), ele se encontrou com o presidente do Chile, Sebastián Piñera, em Santiago. Na ocasião, Pompeo teceu críticas à parceria econômica da Venezuela com a China, que classificou como "corrosiva". Ainda no Chile, Pompeo também afirmou que a presença da Rússia na Venezuela é "provocação óbvia"

    O ministro de Relações Exteriores do Peru, Nestor Popolizio (à esquerda), e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (à direita) durante encontro em Lima, capital peruana, no sábado, 13 de abril de 2019.
    © AP Photo / Martin Mejia
    O ministro de Relações Exteriores do Peru, Nestor Popolizio (à esquerda), e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (à direita) durante encontro em Lima, capital peruana, no sábado, 13 de abril de 2019.

    China e Rússia fazem parte do grupo de países que não reconhecem Guaidó como presidente interino da Venezuela e mantém apoio a Nicolás Maduro, que consideram o presidente legítimo da Venezuela. Maduro fez diversas declarações dizendo que Guaidó trama sua queda em plano orquestrado por Washington.

    Pompeo segue agora para o Peru antes de fazer uma parada final na cidade fronteiriça colombiana de Cúcuta, no domingo (14). Na Colômbia tem agendada uma reunião com representantes de refugiados venezuelanos.

    Neste sábado (13), Pompeo também disse que era importante "derrubar" organizações criminosas que atuam na área da tríplice fronteira de Brasil, Argentina e Paraguai.

    Mais:

    Presença da Rússia na América Latina é uma ameaça 'muito real', diz Pompeo
    Pompeo visita fronteira entre Colômbia e Venezuela neste domingo, dizem os EUA
    Maduro acusa Pompeo de estar por trás do ataque que deixou a Venezuela no escuro
    Pompeo: 'EUA vão cooperar com nações independentemente do histórico de direitos humanos'
    Tags:
    crise na venezuela, Grupo de Lima, Mario Abdo Benítez, Nicolás Maduro, Juan Guaidó, Sebastián Piñera, Mike Pompeo, Argentina, Brasil, Assunção, Paraguai, Cúcuta, Peru, Colômbia, Caracas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar