13:49 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Julian Assange, fundador do  WikiLeaks

    Assange pode revelar papel da Ucrânia no caso sobre conluio russo, diz advogado de Trump

    © REUTERS / Peter Nicholls
    Américas
    URL curta
    6141

    A prisão do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pode revelar novas informações que podem revelar que a Ucrânia é a força motriz por trás da suposta conspiração envolvendo o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump e Rússia, afirmou o advogado de Trump, Rudy Giuliani.

    Giuliani declarou ao jornal Washington Examiner que Assange poderia esclarecer o complô que levou a uma investigação baseada em uma falsa acusação de conspiração, e pediu que o público fique de olho na Ucrânia.

    Os comentários referem-se apenas a Assange, possivelmente expondo as origens da investigação federal sobre a suposta conivência Trump-Rússia, disse Giuliani.

    Giuliani também disse que não sugere que Assange possa desmentir que a Rússia tenha hackeado o Comitê Nacional Democrata e o presidente da campanha de Hilary Clinton, John Podesta.

    Na quinta-feira, Assange foi preso na embaixada equatoriana em Londres, a pedido de autoridades norte-americanas. Assange agora enfrenta extradição para os Estados Unidos sob acusação de invasão de computador e pode receber uma sentença de até cinco anos de prisão.

    Os Estados Unidos acusam Assange de conspirar com a ex-soldada do Exército dos EUA, Chelsea Manning, e ajudá-la a invadir um computador secreto do governo americano, além de vazar dados relacionados às atividades dos Estados Unidos no Afeganistão e no Iraque, o centro de detenção de Guantánamo e os diplomáticos dos EUA.

    Em 2016, o WikiLeaks publicou e-mails comprometedores do Comitê Nacional Democrata, o órgão regulador formal do Partido Democrata, antes da eleição presidencial dos EUA em 2016, na qual Clinton estava concorrendo como candidato democrata.

    Na quarta-feira, Trump afirmou que a investigação do advogado especial Robert Mueller sobre suposta interferência russa durante a eleição presidencial de 2016 foi uma "tentativa de golpe" e deve ser investigada pelo procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr.

    Mueller concluiu recentemente sua investigação de 22 meses sobre alegações de conluio Trump-Rússia na eleição presidencial de 2016 nos EUA. Barr disse em uma carta ao Congresso que Mueller concluiu em seu relatório que a campanha do presidente Donald Trump não esteve em conluio com a Rússia durante a eleição.

    Mueller, no entanto, declarou que a Rússia tentou interferir na eleição, uma afirmação que Moscou nega repetidamente.

    Autoridades russas disseram que as alegações foram feitas para justificar a perda eleitoral do oponente de Trump, bem como desviar a atenção do público de casos reais de fraude eleitoral e corrupção.

    Mais:

    O que aconteceu com o gato de Assange?
    Equador prende amigo de Assange
    'Fiquem quietos': prisão de Assange é uma mensagem ao povo, diz congressista dos EUA
    Tags:
    interferência estrangeira, investigação, conluio, russofobia, diplomacia, WikiLeaks, William Barr, Robert Mueller, Chelsea Manning, John Podesta, Hillary Clinton, Rudoph Giuliani, Julian Assange, Donald Trump, Ucrânia, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar