10:38 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela

    Maduro assegura que venezuelanos não permitirão golpe de Estado dos EUA como em 2002

    © Sputnik / Sergey Guneev
    Américas
    URL curta
    9121

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse que seu país não vai permitir a repetição do golpe de Estado de 2002, promovido pelos Estados Unidos.

    "Em 12 de abril de 2002, a oligarquia e o imperialismo, através do auto-proclamado Pedro Carmona, consumaram um golpe que dissolveu os poderes públicos. Como há 17 anos, as pessoas rejeitam os fantoches do imperialismo que ameaçam a paz da República", escreveu o Chefe de Estado na rede social Twitter.

    O golpe de 2002 contra o presidente Hugo Chávez foi impulsionado pela Federação de Câmaras e Associações de Comércio e Produção da Venezuela (FEDECAMARAS) e foi liderado por Pedro Carmona, que foi proclamado brevemente presidente, mas já no dia seguinte Chávez foi restaurado no poder.

    O governo venezuelano acusou os EUA de promover um golpe semelhante contra Maduro.

    Em 23 de janeiro, o deputado Juan Guaidó se autoproclamou presidente do país.

    Maduro, que assumiu seu segundo mandato em 10 de janeiro, depois de uma eleição que a oposição boicotou, classificou as ações de Guaidó de tentativa de golpe e culpou os Estados Unidos por seu suporte.

    Guaidó foi reconhecido imediatamente como presidente interino pela Colômbia, Estados Unidos, Brasil e mais 50 países. Rússia, China, Cuba, Bolívia, Irã e Turquia, entre outros, continuam a apoiar o governo de Maduro.

    México e Uruguai, por sua vez, se recusam a reconhecer Guaidó, declaram-se neutros e propõem um diálogo entre as partes para superar a crise.

    Mais:

    Vice dos EUA quer que Mourão convença Rússia e China a deixarem de apoiar Maduro
    Maduro pede à comunidade mundial que exija que os EUA parem de agredir a Venezuela
    Maduro: ataques contra rede elétrica partiram da Colômbia e do Chile
    Maduro: 'império' americano está conduzindo guerra não convencional contra Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar