07:57 21 Julho 2019
Ouvir Rádio
    President Donald Trump, left, speaks as South Korean President Moon Jae-in looks on during a joint news conference at the Blue House in Seoul, South Korea, Tuesday, Nov. 7, 2017

    Vendas militares e Kim: Trump revela detalhes de encontro com líder da Coreia do Sul

    © AP Photo / Andrew Harnik
    Américas
    URL curta
    331

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira que manterá as sanções na Coreia do Norte, enquanto ele e o presidente sul-coreano Moon Jae-in discutem maneiras de levar as negociações nucleares norte-americanas de volta ao curso após uma cúpula fracassada em Hanói.

    Falando no Salão Oval, conversou com Moon e deixou aberta a possibilidade de uma terceira cúpula com Kim Jong-un, mas não quis comentar se ele havia se comunicado recentemente com o líder norte-coreano. Os dois homens ocasionalmente trocam cartas.

    A Coreia do Norte, que suspendeu testes nucleares e lançamentos de mísseis, tem pressionado por alívio de sanções, mas não deu passos significativos em direção à desnuclearização. Pouco progresso foi feito entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, apesar da óbvia boa vontade entre Trump e Kim.

    Trump, perguntado por repórteres se ele estava preparado para amenizar algumas sanções contra a Coreia do Norte, declarou que ele e Moon estavam discutindo "certas coisas humanitárias" e a possibilidade de a Coreia do Sul ajudar o Norte com comida.

    Sobre as sanções, ele disse: "Poderíamos sempre aumentá-las, mas eu não queria fazer isso no momento".

    Moon afirmou que não vê a cúpula de Hanói, no Vietnã, realizada em fevereiro, como um fracasso, mas parte de um "processo" mais longo com o Norte. Moon disse que concorda com Trump no "objetivo final" da desnuclearização total da Coreia do Norte.

    "A tarefa importante que enfrentamos agora é manter o ímpeto do diálogo e também expressar as perspectivas positivas em relação à terceira cúpula dos EUA e da Coreia do Norte para a comunidade internacional, de que isso será realizado em um futuro próximo", avaliou Moon.

    Cálculos políticos

    Moon chegou a Washington na noite de quarta-feira e conversou com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, o conselheiro de segurança nacional de Trump, John Bolton, e o vice-presidente Mike Pence, antes de ir para a Casa Branca.

    Antes de sua viagem, os assessores de Moon enfatizaram a necessidade de retomar as negociações entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte o mais rápido possível, depois que uma segunda cúpula entre Trump e Kim desabou em Hanói em 28 de fevereiro.

    Moon colocou sua reputação política em risco ao encorajar as negociações entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte com o objetivo de persuadir Kim a desistir de um programa de armas nucleares que agora ameaça os Estados Unidos.

    Ele enfatizou a necessidade de oferecer concessões à Coreia do Norte para encorajar as negociações, mas Washington parece ter endurecido sua posição contra uma abordagem escalonada buscada por Pyongyang, na qual medidas graduais seriam recompensadas com a ajuda de punir sanções.

    Trump disse que estava aberto a uma abordagem passo a passo, mas precisaria ver os detalhes.

    "Existem vários negócios menores que talvez pudessem acontecer. As coisas poderiam acontecer. Você poderia trabalhar passo a passo. Mas, neste momento, estamos falando sobre o grande negócio. O grande problema é que temos que nos livrar as armas nucleares", comentou.

    A reunião de Hanoi entrou em colapso em meio a demandas conflitantes da Coreia do Norte para o alívio das sanções e da insistência dos EUA em sua completa desnuclearização.

    Na quinta-feira, a mídia estatal norte-coreana disse que Kim havia dito em uma reunião do Partido dos Trabalhadores da Coreia na quarta-feira que iria avançar com os esforços para tornar a economia mais auto-suficiente "para dar um golpe às forças hostis que vá com os olhos vermelhos calculando mal que as sanções podem colocar [a Coreia do Norte] de joelhos".

    No mês passado, uma alta autoridade norte-coreana alertou que Kim poderia repensar uma moratória sobre lançamentos de mísseis e testes nucleares em vigor desde 2017, a menos que Washington faça concessões, como a flexibilização das sanções econômicas.

    Outros assuntos

    Kim não foi o único tema do encontro entre Trump e Moon. De acordo com o presidente dos EUA, a Coreia do Sul concordou em comprar uma quantidade significativa de equipamentos militares estadunidenses.

    "O presidente Moon [Jae-in] e a Coreia do Sul concordaram em comprar uma quantidade enorme de nossos equipamentos militares de caças a mísseis para muitas outras coisas", revelou Trump.

    Em outro momento, Trump agradeceu a Rússia e a China por sua ajuda em questões de fronteira com a Coreia do Norte.

    "Quero agradecer à China, que realmente nos ajudou muito na fronteira. Também quero agradecer à Rússia, porque eles nos ajudaram e nos ajudaram um pouco mais do que as pessoas pensam na fronteira", completou.

    Mais:

    Poderá Japão reconciliar EUA com Coreia do Norte?
    EUA não planejam aliviar sanções da Coreia do Norte até a completa desnuclearização
    Mídia: Trump ignora conselheiros e assume pessoalmente negociações com Coreia do Norte
    Tags:
    diplomacia, negociações, sanções, armas nucleares, desnuclearização, Mike Pompeo, Moon Jae-in, Kim Jong-un, Donald Trump, China, Rússia, Estados Unidos, Hanói, Vietnã, Coreia do Norte, Coreia do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar