14:19 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Miguel Díaz-Canel, presidente de Cuba

    A primeira de muitas? Cuba permite manifestação pelos direitos dos animais

    © Sputnik / Vitaly Belousov
    Américas
    URL curta
    850

    Mais de 400 amantes de animais marcharam pacificamente mais de 1,5 quilômetro por Havana no domingo, gritando palavras de ordem e acenando com placas pedindo o fim da crueldade contra os animais em Cuba

    Curta, aparentemente simples, a marcha escreveu uma pequena mas significativa linha na história da Cuba moderna. O governo socialista permitiu explicitamente uma marcha pública não associada a qualquer parte do abrangente Estado comunista, um movimento que os participantes e historiadores chamam de inusitado e talvez sem precedentes desde os primeiros anos da revolução.

    "Eu acho muito inteligente que eles aprovaram a manifestação, ou melhor, a marcha", disse o cantor Silvio Rodriguez, uma figura do establishment que criticou a rigidez cultural oficial e que participou do evento. "Isso nos faz sentir otimistas. Agora temos que ver se a mesma coisa acontecerá com outras causas."

    Não há indicação de que Cuba esteja se movendo em direção à liberdade de reunião irrestrita: o Estado ainda reprime discursos políticos não aprovados com repressão policial, ondas de prisões e detenções temporárias. Assim, uma marcha de grupos independentes da sociedade civil que buscavam a ação do governo foi uma visão notável em um país onde, por quase 60 anos, praticamente todos os aspectos da vida faziam parte de uma única cadeia de comando que terminava em um líder supremo chamado Castro.

    "É sem precedentes", disse Alberto Gonzalez, organizador da marcha e editor da The Ark, uma revista online cubana de amantes de animais. "Isso vai marcar um antes e um depois."

    Desde logo após sua fundação, o governo comunista cubano só permitiu a existência do que chama de "sociedade civil legítima" — grupos supervisionados, patrocinados e administrados pelo Estado e pelo Partido Comunista. Esses grupos são jogos nas marchas de massa e encontros organizados pelo estado em feriados públicos. No outro extremo do espectro estão grupos dissidentes, muitas vezes com laços estreitos com forças anti-Castro em Miami que querem derrubar o governo socialista e reinstalar um sistema capitalista com laços estreitos com Washington. Suas tentativas de protestos de rua e outras formas de organização são quase instantaneamente anuladas pela segurança do Estado.

    A marcha pelos direitos dos animais foi monitorada por pelo menos duas dúzias de agentes de segurança do Estado, que observavam os participantes de perto, mas não interferiam. González disse que autoridades de segurança pediram que ele mantivesse a marcha da rua principal, onde foi autorizada, para uma rua lateral menor, a fim de evitar o tráfego.

    A manifestação foi coberta por praticamente todos os grandes meios de comunicação internacionais baseados em Havana, mas aparentemente não houve repercussão na imprensa estatal. 

    Mais:

    Ministro das Relações Exteriores de Cuba pede libertação de Lula
    Cuba diminui páginas de jornais por falta de papel
    Cuba, Nicarágua e Venezuela podem ser próximas vítimas da OTAN, adverte mídia
    Viagem a Cuba faz príncipe Charles entrar na 'lista de comunistas' criada por brasileiros
    Tags:
    Cuba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar