21:52 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Confronto entre manifestantes e policiais no centro de Caracas, Venezuela

    'O que está acontecendo na Venezuela é semelhante à situação na Síria', diz Assad

    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    Américas
    URL curta
    9252

    O presidente sírio Bashar Assad declarou ao ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, que a situação na Venezuela é parecida à na Síria devido à ingerência ilegal dos países ocidentais nos assuntos internos desses países.

    "A política em relação à Venezuela de um grupo de países ocidentais encabeçado pelos EUA e sua intervenção grosseira nos assuntos internos [venezuelanos], bem como as sanções e o embargo contra o país, se tornaram em um método desses países orientado contra todos os que não estão de acordo com sua política", disse Assad, citado pela Sputnik.

    "O que está acontecendo na Venezuela é semelhante à situação na Síria, seu objetivo é a hegemonia sobre os países e a apropriação das suas decisões soberanas em violação do direito internacional e dos princípios da Carta da ONU, que afirmam o respeito pela soberania dos Estados e o direito dos povos à autodeterminação", declarou o presidente sírio.

    Arreaza visitou Damasco no âmbito da sua viagem regional e anteriormente visitou a Turquia e o Líbano.

    Em 21 de janeiro, na Venezuela tiveram início protestos em massa contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, logo depois de ele assumir o segundo mandato presidencial.

    Em 23 de janeiro, o líder da oposição do país, Juan Guaidó, se autoproclamou presidente interino, tendo sido apoiado pelo Brasil, EUA e vários outros países. Maduro recebeu o apoio de tais países como a Rússia, México, China, Turquia, Indonésia e outros.

    Mais:

    Chanceler sobre militares russos na Venezuela: Moscou não pretende criar uma '2ª Síria'
    Turquia comenta declarações americanas sobre cooperação com Venezuela
    Tags:
    intervenção externa, Bashar Assad, Síria, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar