21:44 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Billionaire financier George Soros

    EUA pediram para Ucrânia não investigar grupo financiado por Soros em 2016, diz site

    © AP Photo / Kin Cheung
    Américas
    URL curta
    336
    Nos siga no

    Uma ONG co-financiada pelo bilionário húngaro-americano George Soros foi poupada de um processo em 2016, depois que os EUA pediram à Ucrânia que abandonasse uma investigação de corrupção que visava o grupo, informou o site americano The Hill, apontando possíveis manobras durante a eleição presidencial dos EUA.

    Bancado pelo governo de Barack Obama e por Soros, o Centro de Ação Anticorrupção (AntAC) estava sendo investigado como parte de uma investigação maior da Procuradoria Geral da Ucrânia sobre a má alocação de US$ 4,4 milhões em fundos americanos para combater a corrupção no país da Europa Oriental.

    Como a corrida presidencial de 2016 esquentou nos Estados Unidos, a embaixada dos EUA em Kiev deu ao promotor-geral da Ucrânia, Yuri Lutsenko, "uma lista de pessoas que não devemos processar" como parte da investigação, informou o The Hill. Por fim, nenhuma ação foi tomada contra o AntAC.

    Lutsenko declarou ao site que acredita que a embaixada queria que a investigação fosse rejeitada porque poderia ter exposto os democratas a um possível escândalo durante a eleição de 2016.

    Uma autoridade do Departamento de Estado dos EUA que conversou com o The Hill disse que, embora o pedido para anular a investigação seja incomum, Washington teme que o AntAC seja alvo de represália pela defesa do grupo por reformas anticorrupção na Ucrânia.

    O AntAC não era apenas a benfeitora de clientes bem conectados — na época, também estava colaborando com agentes do FBI para descobrir os negócios da Paul Manafort, gerente de campanha de Donald Trump, na Ucrânia. Posteriormente, Manafort tornou-se um alvo de destaque da investigação do indicado especial Robert Mueller no alegado conluio russo, e foi condenado a sete anos e meio de prisão por fraude fiscal e outros crimes financeiros.

    Lutsenko divulgou em entrevista ao The Hill na semana passada que abriu uma investigação sobre se funcionários ucranianos vazaram registros financeiros durante a campanha presidencial dos EUA em 2016, em um esforço para influenciar a eleição em favor da democrata Hillary Clinton.

    Embora o AntAC possa ter falhado em ajudar o FBI a encontrar a arma conspiradora da Rússia, as atividades do grupo constituem mais um elo entre a investigação Russiagate e Soros, um mega-doador democrata que aposta em Hillary Clinton na Casa Branca em 2016.

    Em 2017, o bilionário filantropo desviou dinheiro para um novo grupo, o Democracy Integrity Project, que posteriormente se associou ao Fusion GPS para criar o agora infame dossiê Steele.

    Porta-vozes do AntAC e do grupo Open Society Foundations, de Soros, não quiseram comentar sobre o furo do The Hill.

    Ironicamente, o procurador-geral que precedeu Lutsenko, Viktor Shokin, renunciou sob pressão de Washington — que acusou Shokin de corrupção.

    Autoridades americanas virtuosas continuam a fazer demandas similares ao sistema judiciário da Ucrânia. No início deste mês, Washington pediu ao governo ucraniano que demitisse seu promotor especial contra a corrupção, mais uma vez por acusações de abuso administrativo.

    Mais:

    'Soros quer assumir as instituições europeias', critica o primeiro-ministro da Hungria
    Soros está preparando EUA para Guerra Fria contra China, opina analista
    Soros: Washington e Pequim estão em 'guerra fria que em breve poderá se tornar quente'
    Tags:
    investigação, russiagate, FBI, The Hill, Centro de Ação Anticorrupção (AntAC), Viktor Shokin, Robert Mueller, Yuri Lutsenko, Hillary Clinton, Donald Trump, Paul Manafort, George Soros, Barack Obama, Estados Unidos, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar