08:13 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Soldado junto à bandeira dos EUA (foto de arquivo)

    Especialista: EUA minam situação na Venezuela usando Brasil e Colômbia

    © AP Photo / Hasan Jamali
    Américas
    URL curta
    16151
    Nos siga no

    O Departamento de Estado dos EUA ameaçou as autoridades venezuelanas com consequências pela detenção de dois apoiadores do líder da oposição Juan Guaidó. O especialista Konstantin Blokhin sugeriu para o serviço russo da rádio Sputnik como Washington iria pressionar Caracas.

    A detenção pelas autoridades venezuelanas dos apoiadores do líder da oposição Juan Guaidó, que ilegalmente se declarou presidente, não ficará sem consequências, disse um representante do Departamento de Estado dos EUA à agência Sputnik.

    "Os Estados Unidos condenam as incursões dos serviços de segurança (do presidente Nicolás Maduro) e a detenção de Roberto Marrero, assessor do presidente interino Juan Guaidó, e de Luis Aguilar. Apelamos à libertação imediata deles e chamaremos à responsabilidade todos os envolvidos", disse ele. O funcionário do Departamento de Estado dos EUA acrescentou também que "haverá consequências pela continuação das perseguições" à oposição.

    Konstantin Blokhin, especialista do Centro de Estudos de Segurança da Academia de Ciências da Rússia, sugeriu para a rádio Sputnik como Washington pretenderia pressionar Caracas.

    "Agora os Estados Unidos estão minando a situação na Venezuela de todas as formas possíveis, intensificando a guerra informacional contra ela, exigindo uma mudança de poder lá. E não só lá, também falam de Cuba e da Nicarágua. Ao mesmo tempo, é pouco provável que os americanos tomem quaisquer medidas radicais como uma invasão. Pelo contrário, podemos esperar que eles continuem a opor a Venezuela aos seus vizinhos, Brasil e Colômbia, ou voltem a usar seu truque favorito, atuando, sempre que possível, com as mãos dos outros", disse Blokhin.

    O especialista não descartou a possibilidade de pressionar a Venezuela de outras formas, através de alguma operação especial, lembrando as tentativas da CIA de assassinar [o ex-líder cubano Fidel] Castro, que foram muitas dezenas.

    "Os recentes cortes de energia na Venezuela também podem ter sido um ‘teste de resistência', para ver a resposta da população a essas emergências criadas artificialmente. De qualquer forma, é óbvio que os americanos estão prontos para forçar a situação", concluiu Konstantin Blokhin.

    Anteriormente, uma fonte policial em Caracas disse que Roberto Marrero e outro companheiro de Guaidó, Sergio Vergara, foram detidos na madrugada de quinta-feira (21) por agentes do Serviço Nacional de Inteligência Bolivariano (SEBIN). Suas casas foram revistadas e foram encontrados dois fuzis e uma granada na posse de Marrero.

    Seu motorista, Luis Aguilar, foi detido com Vergara. Algum tempo depois, Vergara foi libertado, enquanto Marrero permanece sob custódia. O ministro do Interior, Nestor Reverol, disse que Marrero é acusado de organizar grupos terroristas criminosos.

    Em 21 de janeiro, na Venezuela começaram protestos em massa contra o presidente Nicolás Maduro, logo após sua tomada de posse. Juan Guaidó se declarou ilegalmente como chefe de Estado temporário. Vários países ocidentais, liderados pelos EUA, anunciaram o reconhecimento do Guaidó. Rússia, China e vários outros países apoiaram Maduro como o presidente legítimo.

    Mais:

    Venezuela repudia sanções dos EUA contra Bandes e 4 importantes bancos do país
    Análise: Brasil não tem interesse em se arriscar pela mudança de governo na Venezuela
    Após novo apagão, Venezuela corre para restabelecer energia em vários estados do país
    Tags:
    países, intervenção, estratégia, Venezuela, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar