14:53 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira de Cuba

    Príncipe Charles visita Cuba em primeira visita da família real britânica

    © AP Photo / Ramon Espinosa
    Américas
    URL curta
    1080
    Nos siga no

    O príncipe Charles e sua esposa Camilla começam a primeira viagem oficial a Cuba pela família real britânica neste domingo (24) - uma demonstração de discordância com a estratégia do governo Trump de isolar economicamente a ilha comunista.

    O herdeiro do trono britânico deve pousar em Havana no final da tarde e colocar uma coroa de flores no memorial do herói da independência colonial José Martí, perto de retratos maciços de ícones revolucionários socialistas, incluindo o guerrilheiro Che Guevara. Os próximos dois dias incluem visitas a locais históricos, um parque solar, fazenda orgânica e um centro de pesquisa biomédica, além de um encontro com empresários, artistas e um jantar com o presidente Miguel Díaz-Canel.

    A agenda não inclui visitas a dissidentes políticos ou outros críticos do sistema de partido único de Cuba, uma decisão que levou a críticas dos exilados cubanos.

    O senador republicano Rick Scott, da Flórida, pediu no mês passado a Charles que cancelasse sua viagem com base no apoio de Cuba ao presidente venezuelano Nicolás Maduro e na "história de décadas de perseguição e aprisionamento de seus desertores e de repressão ao seu povo".

    O também senador da Flórida, Marco Rubio, há muito defende o isolamento de Cuba e da Venezuela, e os senadores encontraram uma audiência receptiva no governo Trump, que vem agravando as sanções financeiras de ambos os países na esperança de derrubar seus governos.

    O presidente dos EUA, Donald Trump, recebe o apoio europeu e latino-americano à sua política venezuelana, mas menos apoio em relação a Cuba, cujo governo já resistiu a um embargo de 60 anos nos EUA.

    Sir Alan Duncan, ministro de Estado britânico para a Europa e as Américas, escreveu a Scott no mês passado que "como vários outros países, acreditamos que a melhor maneira de promover os direitos humanos e incentivar uma Cuba que respeite plenamente as liberdades fundamentais é através da prática diplomática, como com esta visita."

    Mais:

    Díaz-Canel: Cuba segue firme e decidida diante de agressões dos EUA
    Moscou: declarações dos EUA sobre Maduro significam que Cuba e Nicarágua virão a seguir
    Pompeo: EUA seguirão ajudando Cuba e Nicarágua no caminho para a democracia
    Este é o 'segredo' escondido no meteorito que caiu em Cuba
    Tags:
    Reino Unido, Cuba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar