14:22 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Caminham pelo distrito da luz vermelha em Amsterdã, Países Baixos.

    Após reclamações de prostitutas, Amsterdã proíbe tours no famoso Distrito da Luz Vermelha

    © AP Photo / Peter Dejong
    Américas
    URL curta
    131

    Amesterdã proibirá visitas guiadas ao famoso distrito da luz vermelha, onde os trabalhadores do sexo trabalham. O banimento começará a valer a partir de 1 de janeiro e pretende a preservar o centro antigo da cidade de multidões que inundam suas ruas. Pretende-se acabar com o comportamento dos turistas que "não respeitam" as prostitutas.

    "Não é mais aceitável ver os trabalhadores do sexo como uma atração turística", disse o conselheiro da cidade Udo Kock, citado pelo The Guardian.

    A prefeitura também pretende reduzir o número máximo de pessoas permitidas em grupos organizados em outros distritos do centro da cidade de 20 para 15. As autoridades ordenarão que todos os guias obtenham uma permissão do conselho e sigam regras rígidas de comportamento.

    O jornal Algemeen Dagblad relata que passeios pelo distrito da luz vermelha transbordaram da área. A primeira mulher a assumir a prefeitura de Amsterdã, Femke Halsema, declarou no ano passado que a tradição de prostituição aberta da cidade precisa de mudanças legais e expressou sua intenção de resolver os problemas com um pacote de reformas a serem elaboradas no máximo até o verão de 2019 (maio a agosto).

    Ela também criticou o turismo que via prostitutas como atração, descrevendo a situação "humilhante" e "inaceitável". De acordo com uma pesquisa recente, 80% das trabalhadoras do sexo indicaram que a espreita de turistas têm um impacto negativo nos negócios, levando os vereadores a considerar a relocação do renomado distrito.

    Tags:
    The Guardian, Algemeen Dagblad, Femke Halsema, Udo Kock, Holanda, Amsterdã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar