09:32 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Venezuela's President Nicolas Maduro speaks during a meeting with businessmen in Caracas, Venezuela January 9, 2017

    Maduro acusa Trump de 'sequestrar' 5 bilhões de dólares destinados a medicamentos

    © REUTERS / Miraflores Palace
    Américas
    URL curta
    11510

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou seu homólogo norte-americano, Donald Trump, de sequestrar dinheiro venezuelano destinado à compra de medicamentos.

    "O caráter criminoso das sanções do governo de Donald Trump contra a Venezuela, contra toda a Venezuela, é a perseguição que há contra os medicamentos, nos sequestrou cinco bilhões de dólares destinados à compra de medicamentos no mundo", disse o chefe de Estado a uma emissora estatal.

    Durante uma visita a uma fábrica de medicamentos na cidade de Charallave, no estado de Miranda (norte do país), o presidente indicou que esse dinheiro seria destinado a importar componentes ativos para fabricar remédios na Venezuela e fornecer medicamentos para a rede de hospitais, farmácias e ambulatórios do país.

    O presidente acusou Trump de causar a escassez de medicamentos na Venezuela para logo dizer que enviará ajuda humanitária.

    "Donald Trump, você é o responsável por uma das medidas mais criminosas contra um povo no mundo: perseguir os medicamentos para depois dizer que [os EUA] estão dispostos a enviar ajuda humanitária", acrescentou o presidente.

    Além disso, Maduro sublinhou que a Venezuela tem capacidade para cobrir 70% das necessidades internas e que o restante está em negociações para sua importação com países como a Rússia, China, Índia, Irã, Turquia e Bielorrússia.

    O presidente venezuelano ordenou estabelecer uma tabela de preços de produtos farmacêuticos com a indústria privada, e sublinhou que também "há que ajudá-los" com a importação de matérias-primas.

    Em 23 de fevereiro, a oposição venezuelana tentou fazer chegar ajuda humanitária proveniente da vizinha Colômbia e do Brasil, o que resultou em confrontos com as forças de segurança, porque Maduro considera as entregas como manobra para derrubar seu governo.

    A crise se agravou na Venezuela em 23 de janeiro, quando o líder da oposição Juan Guaidó se declarou presidente interino, contestando a reeleição de Maduro no ano passado. Os EUA e alguns outros países apoiaram o movimento, reconhecendo Guaidó. A Rússia, China, México e Turquia apoiam Maduro como presidente legítimo da Venezuela e pedem o diálogo para solucionar a crise.

    Mais:

    EUA devem parar de interferir nos assuntos da Venezuela pelo fim da crise, diz coalizão
    EUA impõem novas sanções contra Venezuela
    EUA alocam verba para provocações na Síria, segundo declaração sírio-russa
    Tags:
    medicamentos, crise humanitária, Nicolás Maduro, EUA, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar