12:18 20 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Opositor venezuelano, Juan Guaidó

    Enviado especial dos EUA à Venezuela reconhece que Guaidó 'não está no poder'

    © AFP 2019 / Yuri Cortez
    Américas
    URL curta
    1771

    Em uma coletiva de imprensa na sexta-feira (15) Elliott Abrams, enviado especial dos EUA à Venezuela, afirmou que os EUA veem o líder da oposição Juan Guaidó como o presidente, mas admitem que ele não tem poder real porque o presidente Nicolás Maduro não renunciou.

    Abrams se referiu aos acontecimentos de 23 de janeiro, quando Guaidó foi declarado "presidente interino" pela Assembleia Nacional da Venezuela, de acordo com o artigo 233 da Constituição do país, que limita a autoridade do presidente interino a 30 dias.

    Explicando o artigo sob o qual Guaidó se declarou presidente interino e que expirou no mês passado, Abrams citou a resolução da Assembleia Nacional que "afirma que esse período de 30 dias de presidência interina não começará a decorrer nem a contar até o dia em que Nicolás Maduro deixar o poder". "Portanto, os 30 dias não começam agora, começam depois de Maduro", adicionou ele.

    "Nós consideramos a Assembleia Nacional como a única instituição democrática legítima que resta na Venezuela, e sua interpretação da Constituição, como você sabe, é que a partir da data do fim deste suposto mandato de Maduro, a presidência está vaga", disse Abrams.

    Quando ele foi perguntado se Guaidó poderia ser considerado "o presidente interino de um período interino que ainda não existe", Abrams disse que o final dos 30 dias da presidência interina de Guaidó começa a contar e que o problema é que "ele não está no poder".

    "Então eles decidiram que vão contar isso a partir de quando ele realmente estiver no poder e Maduro tiver ido embora. Eu acho que é lógico. Ele [Guaidó] é presidente interino, mas não é capaz de exercer os poderes do cargo porque Maduro ainda está lá", apontou Abrams.

    Depois de ter sido solicitado a esclarecer a "interpretação" da Assembleia Nacional, Abrams reiterou que a Constituição da Venezuela "exige um período interino de 30 dias, mas esses 30 dias não devem ser contados enquanto Maduro ainda estiver lá exercendo os poderes de seu antigo cargo".

    Guaidó se autoproclamou chefe de Estado interino da República Bolivariana em 23 de janeiro deste ano, sendo imediatamente reconhecido como tal pelos EUA e depois por vários outros países, incluindo o Brasil. No entanto, apesar da pressão internacional, Maduro, reconhecido pela China, Rússia, Cuba, Bolívia e outros países, tem conseguido se manter no poder com apoio da maior parte da população venezuelana e também das Forças Armadas.

    Mais:

    Maduro afirma que ataques a sistema elétrico da Venezuela continuam
    EUA estão ponderando castigar Visa e Mastercard por operarem na Venezuela, escreve Reuters
    Análise: Venezuela pode ter arma 'desconhecida' para enfrentar EUA
    Tags:
    presidente interino, poder, Elliott Abrams, Juan Guaidó, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar