03:23 16 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro, presidente da República Bolivariana da Venezuela, durante um discurso em Caracas (arquivo)

    Maduro: 'guerra energética' dos EUA será 'destruída'

    © REUTERS / Manaure Quintero
    Américas
    URL curta
    14295

    A guerra sobre energia elétrica declarada pelos Estados Unidos não será bem sucedida, disse o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro de um blecaute que afetou a maior parte dos estados venezuelanos na quinta-feira (7).

    Maduro também afirmou que a blecaute foi causado por uma "sabotagem" na principal usina hidrelétrica do país.

    "A guerra sobre a energia elétrica declarada e dirigida pelos imperialistas dos Estados Unidos contra nosso povo será destruída. Nada e ninguém vai conquistar o povo de [Hugo] Chávez", escreveu Maduro no Twitter na quinta-feira (7).

    ​Mais cedo no mesmo dia, segundo a mídia local, um apagão atingiu 21 dos 23 estados da Venezuela.

    Desde janeiro a Venezuela vive um aprofundamento de uma crise política interna, protagonizada pelo líder opositor de Maduro, Juan Guaidó.

    Guaidó se autoproclamou presidente interino do país, em desafio ao novo mandato de Maduro, conquistado nas urnas em 2018.

    Como líder da Assembleia Nacional, Guaidó considera Maduro um usurpador do poder na Venezuela, e tem buscado apoio em viagens internacionais. No entanto, o autoproclamado presidente interino o faz em desafio às proibições impostas a si pelo Judiciário venezuelano.

    Estados Unidos, Colômbia e Argentina, estão entre os países que reconhecem Guaidó como líder da Venezuela e pedem a instauração de novas eleições presidenciais imediatamente no país.

    Já Rússia, China, Bolívia e Cuba, mantiveram apoio ao presidente Nicolás Maduro.

    Maduro já deu mais de uma declaração afirmando que as ações de Guaidó são uma tentativa de golpe orquestrada pelos Estados Unidos.

    Mais:

    Moscou: EUA insistem em mudança de governo na Venezuela, preparando tropas na fronteira
    Maduro: Venezuela é epicentro de uma batalha global entre socialismo e capitalismo
    Irã se posiciona contra ações unilaterais na Venezuela
    Venezuela declara embaixador da Alemanha persona non grata
    Evo: 'agressão armada' dos EUA contra Venezuela falhou
    Tags:
    crise na venezuela, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Rússia, China, Argentina, Estados Unidos, Colômbia, Bolívia, Cuba, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar